O secretário particular do Papa visitou nos últimos dias a ítalo-suíça de 25 anos com problemas mentais que derrubou Bento XVI quando ele celebrava a missa de 24 de dezembro, anunciou neste domingo o porta-voz do Sumo Pontífice, Federico Lombardi.

O padre Lombardi “confirmou algumas informações publicadas pela imprensa” mas não comentou uma matéria do diário Il Giornale segundo a qual o secretário do Papa, o bispo Georg Gaenswein, entregou a Susana Maiolo um rosário e lhe disse que Bento XVI a perdoava.

No dia 24 de dezembro, Susana Maiolo se precipitou sobre o Papa, aparentemente para lhe mostrar afeição, mas acabou derrubando o Sumo Pontífice, que pôde, porém, continuar celebrando a missa. No empurra-empurra que seguiu, o cardeal francês Roger Etchegaray, 87 anos, caiu, e sofreu uma fratura do fêmur. Ele foi operado com sucesso há uma semana.

“Nos últimos dias, Georg Gaenswein visitou, de forma confidencial, a senhora Maiolo, e lhe expressou o interesse do Papa por sua situação”, escreveu o padre Lombardi em comunicado.

O porta-voz também mencionou a investigação lançada pelo tribunal da Santa Sé. “O trabalho da magistratura do Estado e da Cidade do Vaticano continuará até o fim”, afirmou.

De acordo com fontes do Vaticano citadas pela agência Ansa poucos dias após o incidente, “o mais provável” é que o tribunal do Vaticano decida absolver Susana Maiolo devido a seus problemas mentais.

Segundo a imprensa italiana, a jovem, que já tinha feito uma tentativa semelhante na missa do galo de 2008, disse aos médicos que não queria machucar o Papa, mas “lhe pedir ajuda para os fracos e oprimidos”.

Fonte: AFP