Mais de 6 mil peregrinos cristãos chegaram a Israel para celebrar a Festa dos Tabernáculos com a população judaica, que lembra a passagem de seus antepassados bíblicos pelo deserto do Sinai.

É a maior peregrinação cristã deste ano, reunindo fiéis de 90 países. Todos os anos, a Embaixada Internacional Cristã de Jerusalém (EICJ), evangélica, organiza a procissão.

Os peregrinos, desfilando com os trajes típicos de seus países, acreditam que os judeus são membros do “povo eleito”, e que no fim dos dias receberão Jesus Cristo como o messias que rejeitaram no passado e que ainda esperam.

Como nos anos anteriores, o Rabinato Central, instituição oficial do Estado israelense, proibiu que organizações judaicas participem do evento dos cristãos. Os rabinos argumentam que a EICJ é uma instituição proselitista.

O pastor Malcolm Hedding, diretor-executivo da Embaixada Cristã, negou hoje que os peregrinos tenham intenções de converter os judeus ao cristianismo.

“Instruímos claramente os peregrinos nesse sentido. Nunca promovemos ações desse tipo em Israel”, comentou.

A presença dos devotos peregrinos, cuja Igreja conta só nos Estados Unidos com mais de 20 milhões de fiéis, significará uma renda de US$ 18 milhões para a indústria hoteleira em Jerusalém.

Fonte: EFE