A escolha pela profissão de teóloga, há 30 anos, Christina Rocha resolveu sem pestanejar. “A religião sempre esteve muito presente na minha vida. Não tinha como ser diferente”, diz ela, que foi criada numa família batista.

Hoje, aos 48 anos, ela coordena o curso de teologia da Faculdade Batista de Minas Gerais e conta que, mesmo após anos de estudo, a área ainda a fascina.

Divorciada e com duas filhas, uma de 15 e outra de 23 anos, ela conta que os debates em casa sobre temas existenciais são frequentes. “Adoramos ficar fazendo reflexões sobre a vida e as nossas conversas vão longe.” Confira a entrevista que ela deu ao G1 sobre a sua carreira como teóloga.

Por que a sra. escolheu estudar teologia?

Desde pequena, meus pais sempre liam histórias da Bíblia para mim e, com elas, aprendi muitas lições de caráter e ensinamentos de vida. A religiosidade, então, sempre pautou a minha vida. Aos 18 anos, quando fui prestar vestibular, não tive dificuldade em fazer minha escolha: teologia. Fiz a graduação numa instituição batista no Rio de Janeiro. Além disso, eu sempre quis trabalhar com pessoas e me interessava entender qual era a explicação que elas buscavam para dar à sua existência.

Como foi a sua formação?

Em seguida ao curso de teologia, fiz uma graduação em filosofia em uma instituição católica em Viamão (RS), porque quis me aprofundar ainda mais, e fazer isso de um modo crítico, analisando as religiões mundiais e como é a repercussão delas nas relações sociais. Fiz depois um mestrado e um doutorado em teologia no Instituto Ecumênico de Pós-Graduação (IEPG) que pertence à Escola Superior de Teologia (EST), uma instituição luterana, em São Leopoldo (RS).

Como deve ser a preparação de um teólogo? É preciso ter um dom ou talento?

Acredito que o teólogo precisa ter excelência no que faz porque lida com pessoas. Então, o nível de exigência dos cursos deve ser bastante alto, daí a importância de o estudante procurar um curso que seja reconhecido pelo Ministério da Educação e não um curso que não seja supervisionado. E, assim como em qualquer outra profissão, é preciso realmente ter aptidão para lidar com o público.

Como a sra. avalia o mercado de trabalho para o teólogo?

Nunca tive dificuldade em arrumar emprego na minha área. As opções são bem variadas. Atualmente, trabalho na área acadêmica, coordenando o curso de graduação em teologia, e presto consultoria para instituições de educação básica e ensino superior. Além disso, trabalho fazendo treinamento de equipes com foco no desenvolvimento e gestão de competências individuais.

O profissional de teologia é bem remunerado? É possível se manter?

Olha, eu sempre consegui sobreviver com o meu trabalho de teologia. O valor da remuneração irá variar bastante de acordo com a função que a pessoa for desenvolver. No caso de um professor de ensino superior, por exemplo, irá receber no mesmo patamar, independentemente de ser de teologia.

Fonte: G1