Projeto de lei encaminhado pelo senador Édgar Espíndola Niño ao Congresso Nacional propõe, numa iniciativa sem precedentes, que pessoas infiéis no matrimônio recebam um castigo exemplar com a perda de direitos civis por três meses, além de uma multa econômica.

O propósito da iniciativa, segundo o senador evangélico e membro da Igreja Pentecostal Unida da Colômbia, é fortalecer as famílias, dissuadindo aqueles que pretendem cometer adultério. O parlamentar argumentou que essa conduta resulta em muitos lares destruídos e na deterioração da qualidade de vida, “sendo os filhos os que mais sofrem como conseqüência da separação dos pais”, indicou.

A maior parte dos filhos de lares separados foi obrigada a desistir dos estudos, especialmente nas famílias de estratos baixos, adicionou Espíndola, assinalando que “as crianças, adolescentes e jovens, em muitas ocasiões, são explorados em trabalhos pesados e até mesmo sexualmente”.

O senador explicou também que, independente do estrato sócio-econômico ao qual pertençam, as crianças, os adolescentes e os jovens de lares separados precisam do amor e do exemplo dos pais, “porque isso não pode ser compensado por nada, principalmente na idade em que mais precisam deles”.

Fonte: ALC