O candidato do PSDB a prefeito de São Paulo, José Serra, defendeu ontem, quarta-feira, sua estratégia de aproximação com líderes religiosos como o apóstolo Valdemiro Santiago, fundador da Igreja Mundial do Poder de Deus.

Serra participou, acompanhado pelo prefeito Gilberto Kassab (PSD), do culto principal da igreja evangélica no domingo, no templo do Brás, zona leste. O tucano recebeu a bênção do apóstolo em sinal de apoio à sua candidatura, conforme o jornal O Estado de S.Paulo revelou na edição de ontem. “São setores da sociedade. É muito importante você se aproximar, conversar, falar, expor suas ideias. É legítimo”, disse Serra.

A equipe tucana considera a bênção de Valdemiro manifestação indireta de apoio ao tucano na eleição, uma vez que a legislação proíbe declarações a favor de candidatos ou propaganda em templos religiosos, pois os edifícios são considerados bens públicos. Outro empecilho à declaração explícita de voto em Serra pelo líder da Mundial é que os cultos costumam ser transmitidos ao vivo pela TV, e a Justiça Eleitoral também proíbe que haja manifestações favoráveis ou contrárias a candidatos.

Pastores da igreja evangélica dizem que o apóstolo defende a participação política da igreja e vai apoiar também um candidato a vereador oficial. Segundo eles, Valdemiro pede aos fiéis para orarem em nome de políticos quando quer manifestar sua posição dentro do templo. Aliados dele teriam garantido a serristas que não haverá bênçãos a candidatos adversários de Serra.

Ontem, Serra disse que nem sequer teve tempo de discutir sua candidatura com o fundador da Igreja Mundial. “Praticamente não conversei (com ele). Foi tudo muito rápido”, afirmou. A verão é a mesma dada por Kassab, que se aproximou de Valdemiro no segundo mandato como prefeito.

[b]Rebanho[/b]

No último fim de semana, Serra também recebeu o apoio do pastor Deiró de Andrade, da Assembleia de Deus em São Mateus, na zona leste de São Paulo. A igreja conta com 300 templos religiosos e tem laços com uma ala da Assembleia de Deus comandada pelo pastor Samuel Ferreira, que apoia o candidato do PMDB, Gabriel Chalita – ligado aos carismáticos católicos.

Serra já recebeu também o apoio de outras igrejas evangélicas, como a Convenção Geral da Assembleia de Deus e a Igreja o Brasil para Cristo. Sua equipe também busca estreitar relações com padres católicos, especialmente na periferia.

[b]Fonte: Diário do Grande ABC[/b]