O pastor Silas Malafaia se pronunciou contra o ativismo gay no Brasil em seu programa Vitória em Cristo.

O popular televangelista do país falou sobre uma tentativa de alijar os evangélicos do processo democrático e destruição da família por parte de ativistas da causa LGBT.

“Nós estamos vivendo um momento no Brasil de uma verdadeira tentativa de destruição da família e da desconstrução da heteronormatividade”, disse ele em seu programa, no último sábado.

[img align=left width=300]http://images.christianpost.com/portugues/middle/54363/silas-malafaia.jpg[/img]“Família não é uma questão de evangélicos é uma questão de civilização. Toda a história da civilização humana está sustentada em homem mulher e sua proble”, explicou.

Silas Malafaia mostrou indignação por saber de tentativas de mudanças em processos sociais e culturais para não ofender essa nova classe, dos homossexuais. Ele citou a sugestão de abolição do dia da mãe e do pai e da não colocação do nome da mãe e pai em certidão de nascimento.

Para Malafaia no jogo da democracia, há tentativas de alijar os evangélicos do processo social.

“É isso o que o diabo e os ímpios querem. Querem nos alijar de todo o processo social, para que o nosso pensamento, a nossa ideologia a nossa maneira de ser e de viver não possa ser colocada dentro diante da sociedade, e isso é jogo da democracia.”

“Qualquer ideologia pode ser manifestada…, ateísta, humanista, anarquista, e por aí vai. Quando nós nos manifestamos, ‘ah isso ai é religião, não pode!’ Ué, todos nós nos manifestamos na sociedade, a partir de crenças e valores que temos, sejam ateístas, sejam cristãos, judeus, católicos, evangélicos ou qualquer que seja”, defendeu.

Malafaia lamentou também que os evangélicos tenham medo de se mostrar e confrontar a sociedade ‘pecadora’. Ele acredita que a fé tem que ser mostrada fora das “quatro paredes da igreja”.

“Quando a Bíblia diz para transformar o mundo não é dentro da igreja. (…) A igreja evangélica brasileira por muitos anos ficou no monte da religião, entre quatro paredes. Como se fôssemos anjos e não cidadãos. Como vamos transformar o mundo se não confrontarmos o modo de vida dessa sociedade?”

Ele comparou o tempo em que o fiel passa em média dentro da igreja e fora em uma semana, constatando que é na igreja onde a fé é menos manifestada.

“O lugar onde menos manifestamos a nossa fé é dentro da igreja. Uma semana tem 178 horas. Você vai duas vezes por semana na igreja, 4 horas de culto, não dá 3% do seu tempo dentro da igreja. E você acha que é dentro da igreja que você manifesta a sua vida cristã?”

“A vida cristã é mostrada no lado de fora. É na sociedade, é confrontando esse modelo politicamente correto que quer botar na guela da sociedade vários conceitos pelos quais em nenhuma época da história e da sociedade foi um conceito que dirigiu que marcou que manteve a sociedade”, completou.

O líder evangélico conclama os evangélicos a se unirem em uma manifestação em Brasília 05 de junho, às 15h00 para defender a família tradicional, a vida, a liberdade de expressão e a liberdade religiosa.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]