O Comitê Executivo do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) reunido dias 23 a 26 de setembro em Lübeck, na Alemanha, examinou programa e orçamento do organismo ecumênico para o próximo exercício e aprovou declarações públicas e relatórios.

O crescimento dos casos de violência e de intolerância religiosa na Índia, de modo especial no Estado de Orissa, preocupa o CMI. Recentemente, a minoria cristã de Orissa foi vítima de atentados envolvendo roubos e destruição de igrejas e de instituições eclesiais.

Relatórios revelam que 50 mil cristãos deixaram o Estado e foram buscar refúgio em bosques, outros vivem em acampamentos de socorro.

O CMI insta o governo da Índia a cumprir com suas obrigações constitucionais e afirma que a violência representa “um ataque à Constituição” deste país. O CMI também pede para que o governo adote as medidas necessárias para impedir a violência e os ataques contra as minorias cristãs de Orissa e de outras partes do país.

O Comitê Executivo examinou e aprovou declaração sobre a crise humanitária no Sri Lanka causada pelos 25 anos de guerra civil no país. A declaração faz um apelo “a todas as partes beligerantes para aderirem ao Direito Internacional Humanitário e aos princípios orientadores sobre deslocamento interno das Nações Unidas e a outras normas humanitárias”.

A reunião de Lübeck serviu para examinar e aprovar outra declaração que recorda o 60. aniversário da Declaração dos Direitos Humanos. Também foi aprovada nota sobre o 30. aniversário da Declaração de Alma Ata, com um apelo a favor da promoção da “saúde para todos”.

Na quarta-feira, 24 de setembro, o CMI recepcionou convidados pela passagem dos 87 anos de Philip Potter, ex-secretário geral, que vive em Lübeck. Potter exerceu a função de secretário-geral de 1972 a 1984. A recepção foi aproveitada para reconhecer o seu trabalho à frente do CMI, bem como a sua constante preocupação pelo movimento ecumênico.

Na reunião, o Comitê Executivo prolongou o contrato do atual secretário-geral do CMI, pastor Dr. Samuel Kobia, até que outra pessoa seja nomeada e assuma o cargo.

O novo secretário-geral do CMI será nomeado pelo Comitê Central em reunião agendada para setembro de 2009, em Genebra. Na reunião de fevereiro de 2008, o Comitê Central designou um Comitê de Seleção depois do anúncio de Samuel Kobia de que não se apresentaria para um segundo mandato.

Fonte: ALC