Uma mulher de 67 anos morreu no Hospital das Clínicas por volta das 6h desta segunda-feira por causa dos ferimentos causados no desabamento do teto da igreja Renascer no final da tarde deste domingo (18) no bairro do Cambuci, na região central de São Paulo.

Maria de Lourdes da Silva foi levada ontem com ferimentos no abdômen e crânio, passou por uma cirurgia, mas não resistiu aos ferimentos. No total, oito pessoas morreram e 95 ficaram feridas no acidente.

De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, sete pessoas foram levadas para o local após o desabamento. Um jovem de 26 anos também passou por cirurgia e está em estado grave. Um paciente foi transferido para o hospital São Camilo, dois foram transferidos para o setor ortopédico e outros dois receberam alta.

As vítimas do acidente também foram encaminhadas para os pronto-socorros Vergueiro, Jabaquara e Vila Maria.

A assessoria da Renascer divulgou na noite deste domingo o nome dos mortos que já foram identificados. São eles Acir Alves da Silva, 80; Dalva Ferreira de Oliveira, 70; Maria Amelia de Almeida, 60; Maria Erlisa, 48; Silva Gomes Moreira, 50; e a adolescente Gabriela Lacerda, 15, além de Maria de Lourdes, que morreu hoje.

A capacidade do prédio da sede da Renascer é para cerca de 1.800 pessoas sentadas. Trata-se do maior templo da igreja evangélica –onde Kaká, jogador de futebol do Milan, casou-se em 2005. O local também chegou a ser alvo de um incêndio, sem deixar vítimas, em setembro de 2006.

Segundo fiéis e vizinhos da igreja, o prédio passou por reforma havia três meses. A Renascer nega e diz que apenas a fachada teve a pintura renovada. Presidente da Renascer, o bispo Geraldo Tenuta Filho disse que a documentação e a manutenção do templo estavam em ordem.

Mais desabamentos

No final da noite deste domingo, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) e o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), visitaram o local ao lado do presidente da Renascer, Geraldo Teluta Filho. Em declaração à imprensa, Serra afirmou que novos desabamentos podem acontecer no local.

Para o governador, “a situação é muito grave”. “Nós estávamos parados na porta e caiu a centímetros o aparelho de ar-condicionado. É um perigo. Não entrei. Do lado de fora, vi o que está dentro. Caiu tudo. Lá não tem um metro que não tenha desabado. Andar dentro é muito perigoso”, afirmou o governador.

“Foi uma sorte divina que a queda não foi na hora do culto. Foi na saída. Se não haveria 2.000 pessoas. E estavam ali [na hora do desabamento] cento e tantas, coisa assim”, afirmou Serra ontem à noite.

Segundo a Renascer, os prédios vizinhos e as ruas próximas à igreja foram interditados. A sede permanece cercada por frequentadores que procuram por amigos e parentes, além de curiosos que tentam acompanhar o trabalho dos bombeiros e dos policiais.

Prédios vizinhos da igreja foram interditados, mas o número de imóveis não foi divulgado. A avenida Lins de Vasconcelos chegou a ficar interditada para os trabalhos de resgate durante a madrugada, mas foi liberada para a circulação nesta segunda.

O igreja afirmou ainda que toda a documentação do imóvel estava em ordem, e uma frente voluntária de pastores e bispos já foi montada para percorrer os hospitais que receberam as vitimas.

Fonte: Folha Online