Deputados federais buscam saída para manter a Subcomissão de Cultura e Direitos Humanos, extinta por pressão da bancada evangélica.

A troca do nome –para evitar suposto conflito de competências com a Comissão de Direitos Humanos– e adaptações no plano de trabalho são estudadas. A presidência da Câmara deve dar parecer nos próximos dias.

“O nome pouco importa”, diz Jandira Feghali (PCdoB-RJ), presidente da Comissão de Cultura, à qual a subcomissão pertence. “O que importa é o tema: a relação entre direitos humanos e cultura. E dele não abrimos mão.”

Após pedido da bancada evangélica, o presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), decidiu extinguir, no dia 9 de outubro, uma subcomissão que tratava de assuntos relacionados a minorias dentro da Comissão de Cultura.

Alves acatou uma questão de ordem apresentada pelo deputado João Campos (PSDB-GO), líder da Frente Parlamentar Evangélica. O tucano é o autor do projeto que ficou conhecido como “cura gay”.

A justificativa dada pelo presidente da Casa é que essa subcomissão fugiu do escopo de cultura e invadia a competência de outra comissão permanente da Casa que já trata desse tema: a Comissão de Direitos Humanos e Minorias, o que é vedado pelo Regimento Interno.

[b]Fonte: Folha de São Paulo
[/b]
Notícia relacionada: [url=http://folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=27092]Bancada evangélica consegue extinguir subcomissão de minorias[/url]