Um número menor de bebês nasceu e um número maior de pessoas se suicidou no Japão em 2007, mostrou um relatório do governo. Os dados aparecem no momento em que o país enfrenta uma taxa de natalidade bastante baixa.

O número de bebês nascidos em 2007 caiu em 2.929 em comparação com o ano anterior, para 1.089.745, afirmou o Ministério da Saúde.

Segundo o ministério, isto confirma a tendência de que os casais estão optando por vidas mais livres e de que as mulheres estão encontrando dificuldade para trabalhar e criar os filhos ao mesmo tempo.

O documento do governo mostrou que o número de pessoas que cometeram suicídio subiu em 856, para um total de 30.777. O Japão apresenta a segunda maior taxa de suicídio entre os principais países industrializados do mundo, ficando atrás apenas da Rússia.

A quantidade de pessoas que se matam aumentou muito depois do estouro da bolha econômica, na década de 1980, responsável por deixar muitos japoneses endividados.

O governo prometeu diminuir o número de suicídios em 20% até 2016, através de medidas como instrumentos para detectar pessoas deprimidas e a promoção da saúde mental.

No entanto, os suicídios com sulfato de hidrogênio, que pode ser feito a partir de detergente comum, transformam-se em um crescente problema para o Japão.

Dezenas de casos foram registrados na imprensa neste ano, e sites na Internet descrevem diferentes formas de obter o gás. Não há nenhum tabu religioso contra o suicídio no Japão, e até o século 19 a prática era uma forma de punição ou de expiação por algum erro cometido.

Fonte: Reuters