O Supremo Tribunal da Índia ordenou que o governo de Orissa aumente as medidas de segurança aos cristãos. Ao mesmo tempo, criticou a administração estatal por ter atrasado em tomar medidas contra o massacre anticristão do fim de agosto de 2008.

A ordem do Tribunal vem em resposta a um pedido feito pelo monsenhor Raphael Cheenath, arcebispo de Cuttack-Bhubaneswar.

Ele apelou ao sistema judiciário em favor da segurança dos cristãos nos distritos afetados pela violência, da reabilitação das vítimas e da reconstrução dos edifícios destruídos ou danificados por extremistas hindus.

Muitos líderes da comunidade cristã de Kandhamal não acreditam que a ordem do Supremo Tribunal influenciará a situação. Um, que pediu para permanecer anônimo, disse que as ordens não fizeram muita diferença. Um decreto emitido em outubro, exigindo que o governo estatal compensasse os cristãos pelos danos sofridos e fornecesse ajuda para reconstruir suas casas, foi ignorado.

Esse cristão disse ao AsiaNews que “os assassinatos e incêndios em Kandhamal continuaram. Esse decreto nos impediu de crer em qualquer melhora”.

Ele acrescentou que o dinheiro alocado para a reconstrução “raramente ajuda na reedificação das casas; não é capaz de ajudar a recomeçar a vida com dignidade. Somos frustrados pela burocracia da justiça”.

Até agora, apenas 20 mil dos 50 mil cristãos que fugiram para campos de refugiados puderam voltar às suas aldeias.

O arcebispo de Bhubaneswar foi mais positivo em seu comentário. Em sua visão, “o Tribunal entende bem a situação em Kandhamal e a gravidade da situação atual.”

Fonte: Portas Abertas