Suspeitos de pertencer a uma rede de tráfico humano que levava mulheres nigerianas para a Espanha obrigando-as a se prostituir sob ameaça de uso de vodu foram apresentados a um tribunal espanhol perante um juiz neste sábado.

Muitos dos 23 suspeitos foram acusados de tráfico de seres humanos e extorsão no tribunal da cidade de Huelva, informou a polícia.

As prisões aconteceram durante uma operação que começou na quinta-feira nas cidades de Madri, Sevilha, Badajoz, Palma de Mallorca, Huelva e Gijón, e ainda está em curso.

A iniciativa da Brigada Central de Redes de Imigração, da Secretaria Geral de Estrangeiros e Fronteiras, foi motivada por uma mulher que contou em fevereiro às autoridades sobre as táticas de intimidação da gangue. Segundo a denúncia, a gangue oferecia a viagens à Europa a jovens mulheres nigerianas com falsas promessas de emprego e mais tarde as extorquia por meio de intimidação.

As vítimas, com idades entre 25 e 35 anos, foram forçadas a pagar grandes somas de dinheiro para os membros da gangue, que lhes diziam que elas iriam enlouquecer ou ter suas almas destruídas se desobedecessem às ordens dadas durante rituais de vodu que realizados na Nigéria com partes das unhas e cabelos delas.

Eles exigiam o pagamento de cerca de 50 mil euros pelos custos da viagem até a Espanha, feita por meio de passagens pela Líbia e pela Itália.

O vodu é uma crença e culto religioso praticado principalmente no Haiti e partes da África, que envolve rituais mágicos, com sacrifícios e possessões.

Fonte: Folha Online