Os talibãs ameaçaram mais uma vez, nesta quarta-feira, matar os 19 sul-coreanos seqüestrados há mais de um mês se suas exigências para a libertação de seus companheiros presos não forem satisfeitas, mas não fixaram um ultimato.

Os rebeldes ainda insinuaram que podem deixar seu refém alemão morrer, mantido em cativeiro desde 18 de julho e que sofre do coração, se as autoridades afegãs não aceitarem outra troca de prisioneiros.

“Se as demandas dos talibãs não forem atendidas, mataremos os reféns sul-coreanos”, disse à AFP um porta-voz dos islamitas, Zabihula Mujahed.

O porta-voz disse que transmitia uma mensagem do alto conselho dos talibãs e afirmou que “a maioria dos reféns sul-coreanos está doente”.

“O conselho de direção dos talibãs ainda não fixou um ultimato”, completou.

Situação

O Talibã é o movimento radical islâmico que dominava 90% do Afeganistão até 2001, quando foi derrubado por uma coalizão liderada pelos Estados Unidos.

Um grupo de 23 missionários sul-coreanos da igreja evangélica de Saemmul foi seqüestrado em 19 de julho, quando viajava em uma estrada entre Candahar e Cabul na Província de Ghazni, no sul do Afeganistão.

Duas mulheres que faziam parte do grupo foram libertadas há nove dias em uma estrada da área rural do Afeganistão. Outros dois dos reféns, entre eles um pastor, foram mortos pelos radicais quando prazos dados para o cumprimento de exigências expiraram.

Fonte: Portas Abertas