O debate do tema matrimônio, família e sexualidade continuará na pauta das igrejas luteranas pelo menos até a próxima Assembléia da Federação Luterana Mundial (FLM), agendada para 2010, em Stuttgart, Alemanha.

No encontro do Conselho Diretor do organismo ecumênico, reunido em Lund, Suécia, de 20 a 27 de março, ficou evidente que o tema é controverso.

Representantes de igrejas luteranas da África e da Ásia lamentaram que o documento de estudo sobre o assunto tenha pouco enfatizado o significado de matrimônio e família, priorizando a questão das parcerias entre pessoas do mesmo sexo, informa a assessoria de imprensa do organismo ecumênico.

À luz da Bíblia, argumentaram os africanos, o casamento é uma instituição sagrada, introduzida por Deus e voltada ao relacionamento de homem e mulher. A maioria das igrejas africanas rejeita a relação homossexual, encarando-a como pecado.

Igrejas luteranas da Ásia esperam que nessa temática sejam considerados os contextos culturais. No continente asiático, a homossexualidade é um tema novo e pessoas nessas condições deveriam ser acompanhadas pastoralmente, recomendaram. Elas também pediram que no processo de consulta sobre o assunto, ora em processo, a FLM inclua a preocupação com pornografia, prostituição infantil e tráfico de pessoas.

Intensificar o diálogo sobre matrimônio, família e sexualidade foi o pedido encaminhado à FLM pelas igrejas da Europa, da América do Norte e da América Latina.

Igrejas latino-americanas enfatizaram, no seu relatório, a importância da ordenação feminina, encarada como um “tesouro especial”, que deveria ser mais destacado no diálogo interluterano, inter-religioso e na ecumene. Ainda assim, mulheres líderes luteranas esperam que igrejas vinculadas à FLM se pronunciem favoravelmente à ordenação feminina.

O Conselho Diretor da FLM assinalou, em documento, que num mundo em que existe excedente de produção a pobreza é um escândalo. É responsabilidade primeira dos governos que as populações tenham acesso às necessidades básicas.

Igrejas da América Latina reivindicam que as regiões tenham mais voz participativa na construção futura da FLM e entendem que é preciso trabalhar pelo fortalecimento da identidade confessional e o engajamento ecumênico.

Mais de 500 pessoas, entre delegados e delegadas de igrejas, hóspedes ecumênicos, bispos, bispas, presidentes de igrejas, convidados, assessores e jornalistas participaram, no domingo, 25, das festividades dos 60 anos de fundação da FLM, em Lund, na Suécia, local que recebeu, em 1947, os luteranos constituintes do organismo ecumênico internacional. A FLM também reuniu em Lund, de 20 a 27 de março, o seu Conselho Diretor, integrado por 49 pessoas, em representação das 140 igrejas-membro, de 78 países, que congregam 66,7 milhões de fiéis.

Fonte: ALC