Abre as portas amanhã o restaurado templo hindu de Katas Raj, no Paquistão, com o objetivo de atrair peregrinos movidos pela fé, mesmo que indianos, e onde será realizada a primeira cerimônia desde a partilha, em 1947.

Localizado na colina de Saidan Shah, cerca de 120 quilômetros ao sul de Islamabad, no Punjab paquistanês, o complexo de templos dedicado ao deus Shiva foi restaurado durante os últimos três anos, ao custo de US$ 1,8 milhão, e será aberto para a celebração do Maha Shiva Ratri.

Os hindus, que representam apenas 2% da população do Paquistão, lembram o casamento de Shiva, seu deus destruidor, com a deusa Parvati, guardando um dia de jejum e indo aos templos, para homenageá-los com flores, música e comidas.

O Governo paquistanês declarou 2007 o “Ano de Visitas o Paquistão”, com o objetivo de atrair um milhão de turistas ao país, explorando, sobretudo, seu potencial natural e religioso.

Apesar da tensão constante em suas relações com a Índia, o Paquistão não escapa do desejo dos fiéis hindus e siques indianos de peregrinar para alguns de seus templos mais sagrados que, com a partilha de 60 anos atrás, ficaram do outro lado da fronteira.

A restauração do complexo de Katas Raj, que é mencionado em antigas escrituras hindus, teve início em 2005, com uma cerimônia de colocação da pedra fundamental, que contou com a presença do líder do partido hinduísta indiano BJP, Lai Krishna Advani.

Uma equipe de arqueólogos de Punjab foi responsável pela reforma, e viajou à Índia para estudar as técnicas mais adequadas, contratar especialistas indianos e buscar ídolos hindus para adornar o complexo.

No entanto, o esforço feito espera pouca recompensa: o ministro de Exteriores indiano, Pranab Mukherjee, fez pouco caso do convite do Governo paquistanês para comparecer às comemorações de hoje.

E o diretor do Departamento de Arqueologia de Punjab, Oriya Maqbool Jan, que comandou a reforma do templo, disse esta semana que esperava que cerca de 200 peregrinos hindus comparecessem ao ritual do Maha Shiva Ratri.

As celebrações fazem parte de um calendário preparado pelo Ministério de Turismo do Paquistão, dentro da campanha lançada para atrair visitantes, que inclui a reabilitação de outros lugares santos e uma flexibilização do regime de vistos aplicado aos vizinhos indianos.

A permissão de estadia para peregrinos foi ampliada de cinco para 15 dias, enquanto os vistos turísticos permitem uma estadia de um mês, quando até agora era de apenas duas semanas.

Segundo o ministro de Turismo paquistanês, Nilofar Bakhtiar, a nova política de vistos procura passar uma imagem “suave” do Paquistão.

Além de templos hindus, o Paquistão abriga destinos de peregrinação para os siques, outra das grandes comunidades religiosas da Índia, em particular os nove templos construídos na cidade de Nankana Sahib, em homenagem ao seu primeiro profeta, o guru Nanak.

Em novembro, cerca de 14 mil peregrinos siques procedentes da Índia foram para Nankana Sahib a fim de comemorar o 538º aniversário do nascimento do guru.

Nesta ocasião, o Governo anunciou que este ano concederia 20 mil vistos e construiria – na pequena cidade de Punjab, de 100 mil habitantes – um novo hotel e uma casa de repouso para peregrinos, um centro comercial e um hospital, além de uma conexão de ferrovia com Lahore.

Fonte: EFE