A Nigéria tem visto um surto de violência nas últimas semanas próximas das eleições de abril. Explosão de bombas e ataque às igrejas na capital Abuja deixou pelo menos 80 pessoas mortas sem precedentes em 24 de dezembro de 2010.

Outras sete explosões deixaram na mesma noite, em duas áreas de conflito diferentes na cidade de Jos no centro da Nigéria, 32 pessoas mortas e 74 feridos.

Estas explosões de bombas sem precedentes deixaram uma nova dimensão assustadora para a excessiva inquietação de religiosos que matou centenas durante o ano que se passou.

Numa declaração sobre as explosões de bombas em Jos, no Estado de Plateau, o presidente do escritório de Goodluck Jonathan expressou tristeza quanto aos ataques que mataram muitos inocentes nigerianos – cristãos e muçulmanos igualmente.

Um relatório da África desta semana conta que as tensões recentes no centro da Nigéria deixaram “muitas” casas queimadas em 9 de janeiro, principal força de segurança para correr para a área para restaurar calma na última explosão na região, disse a polícia. A situação foi especialmente tensa em Jos, uma cidade atacada por sectários que, segundo fontes, foram instigados por políticos.

Um ataque numa vila cristã no Estado de Plateau na manhã de 11 de janeiro deixou 13 pessoas mortas, disse um oficial, de acordo com um repórter da CNN.

Por volta da meia-noite, a vila da Estação Kuru, próximo a Jos, foi atacada por assaltantes desconhecidos, contou à CNN Simon Mwadkon, presidente do governo local de Riyom.

Comentando a violência em Jos, o governador do estado de Plateau, Jonah David Jang, declarou a uma televisão local: “O objetivo da organização é para atiçar cristãos contra muçulmanos e causar outra rodada de violência que finalmente culminará no avanço das atividades de propaganda eleitoral em andamento.

Um co-trabalhador da Portas Abertas confirmou sobre o final de semana passado, que houve incidentes em volta das áreas de Katako e Sabon Layi em Jos. Isso é não comprovado se aqueles disparos eram de soldados ou agressores.

Depois da agitação deste final de semana em Jos, o Sr. Agbese, do jornal da Nigéria Daily Trust, contou ao programa Foco na África da BBC que “toda a cidade está deserta – a área terminal geralmente ocupada onde há altas atividades comerciais, está paralisada; não há ninguém lá e todas as lojas estão trancadas”.

Ele disse que a violência começou depois que as notícias de que um ônibus com convidados muçulmanos de um casamento foi atacado quando se perdeu ao voltar para a cidade na quinta à noite.

Jovens muçulmanos começaram a demonstrar quando ouviram que sete pessoas tinham morrido no ataque.

Quatro outras pessoas foram detidas depois do conflito no domingo no subúrbio de Bukuru, onde sete cadáveres foram expostos do lado de fora de uma mesquita na segunda-feira de manhã, disse o Sr. Agbese.

Mais agitações desobstruíram na segunda-feira no subúrbio de Angoljos – onde ambos cristãos e muçulmanos vivem – quando um grupo não-identificado foi visto percorrendo a área, causando pânico.

Dr Idowu-Fearon, o arcebispo da Diocese Anglicana de Kaduna, comentou numa carta aberta para os Líderes do Norte em 10 de janeiro de 2011 no Daily Trust que a solução para o conflito em Jos está na disposição dos lideres em ser honesto, menos egoísta, aceitar um outro como nigerianos, e viver honestamente fora de suas crenças religiosas.

“Deixe a verdade ser dita, a solução está nas mãos dos religiosos, líderes políticos e tradicionais em Jos em particular, e os estados do norte em geral. Nas palavras do falecido Sardauna de Sokoto, “Deixe-nos aceitar nossas diferenças e aprender a viver com eles”, o arcebispo declarou.

Pedidos de oração

Ore pelos co-trabalhadores na Nigéria por sabedoria e direção de Deus.
Ore para que a agitação se acalme e que a eleição seja capaz de começar pacificamente em abril.
Ore para que os cristãos não retalhem com violência.
Ore para que os cristãos coloquem sua fé em Deus em meio a esta tensão renovada em Jos.
Ore para que as igrejas manifestem-se livremente contra a participação na violência, aconselhando seus jovens e como conduzi-los em face destes ataques.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]