O teólogo suíço Hans Küng considerou uma contradição a Igreja Católica ser ao mesmo tempo contrária ao aborto e aos métodos contraceptivos. Ele defendeu uma discussão mais honesta sobre o aborto, desapegada de princípios únicos.

“O extremo libertinismo nessa questão não é aceitável, mas o rigorismo romano extremo também não resolve o problema”, disse.

Küng ressaltou que há uma longa tradição de debate sobre o assunto no próprio cristianismo e afirmava que Tomás de Aquino já ressaltava que bem no início da gestação existe vida, mas não necessariamente pessoa humana.

A audiência foi promovida pelas comissões de Direitos Humanos e Minorias; e de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, e pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar.

Fonte: Portal da Câmara