Em uma carta aberta ao papa Bento XVI, o filósofo e teólogo argelino Mustapha Cherif, defensor do diálogo entre o Islã e a Igreja Católica, se disse “consternado” com o batismo do jornalista italiano de origem egípcia Magdi Allam, celebrado pelo Papa no Sábado de Aleluia.

Cherif declarou ter se “maravilhado” com o fato de Bento XVI “ter batizado de modo espetacular, durante a vigília pascoal, um muçulmano convertido”.

“Defendo a liberdade de consciência, que o Islã respeita, se nenhuma ambigüidade, mas estou consternado com o fato de que o Papa em pessoa tenha batizado um indivíduo que há anos é conhecido por seus ataques virulentos e carregados de ódio contra o Islã, e não só contra as correntes extremistas”, disse o teólogo.

Ex-embaixador e ex-ministro, Cherif falou de um retrocesso nos esforços de diálogo entre religiões e espera que “esse novo acontecimento não incentive aqueles que querem opor e dividir os homens de boa vontade”.

“Certos partidários do diálogo islâmico-cristão, desesperados, se perguntarão se vale a pena continuar a seguir adiante”, acrescentou o teólogo, para quem o batismo de Allam arrisca ser interpretado como “uma provocação”.

Fonte: Ansa