Um teólogo da Igreja Batista do Sul está rejeitando um argumento popular feito entre os ativistas gays que afirmam que Jesus nunca abordou a questão do casamento homossexual.

“É correto o fato de que Jesus nunca abordou a questão do casamento do mesmo sexo?” perguntou Daniel Akin, presidente do Seminário Teológico Batista do Sul em Wake Forest, Carolina do Norte, em um comentário recente.

Sua curta resposta é não.

“É simplesmente inegável que Jesus assumiu o casamento heterossexual como o projeto e o plano de Deus”, disse ele. “Jesus vê toda a atividade sexual fora dessa aliança como pecaminosa.”

Akin argumentou que Jesus falou claramente sobre sexo e casamento conforme encontrado nas Escrituras.

As palavras de Jesus sobre o casamento são encontradas em Mateus 19, onde ele afirma: “Não tendes lido que desde o princípio, o Criador os fez macho e fêmea, e disse: ‘Portanto, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne?’ Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem.”

“Este Jesus foi comprometido com o casamento heterossexual, isto não poderia ser mais evidente”, afirmou Akin.

Quanto ao sexo, Jesus acreditava que era “um bom presente para ser apreciado dentro de um pacto, monogâmico e heterossexual do casamento”, disse ele. “Nisto Ele é cristalino.”

Ao falar sobre o pecado, Jesus disse que era, em última análise uma questão do coração.

Em Marcos 7, Jesus enumera pecados que incluem a imoralidade sexual e adultério, dizendo que “esses males vêm de dentro e contaminam o homem.”

No contexto bíblico, Akin manteve, “imoralidade sexual” inclui qualquer coisa fora da aliança do casamento entre um homem e uma mulher.

“Portanto, Jesus viu sexo pré-marital, adultério e conduta homossexual como pecaminosa,” argumentou o Batista do Sul.

“É uma estratégia muito perigosa e ilegitimamente interpretativa para apoiar as palavras de Jesus e ler nelas o significado que você gostaria de encontrar”, acrescentou. “Não devemos isolar Jesus de Sua afirmação do Antigo Testamento como a Palavra de Deus, nem divorciá-lo do seu contexto judaico do século 1.”

Akin enfatizou que Jesus não estava atrás de modificação comportamental. Em vez disso, ele procurava a “transformação do coração” – tornada possível pelo Evangelho.

“Jesus ama o pecador, tanto heterossexual e o pecador homossexual e promete perdão e completa libertação gratuita para todos aqueles que vêm a Ele”, afirmou o teólogo.

“O evangelho nos transforma de modo que agora somos capazes de não fazer o que queremos, mas o que Deus quer.”

[b]Fonte: The Christian Post[/b]