O primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, se encontrou neste sábado, 23, com o papa Bento XVI em meio a rumores sobre sua possível conversão ao catolicismo, assunto que, segundo o político, que é anglicano, ainda não está decidido.

Blair chegou ao Vaticano às 11h (6h de Brasília) acompanhado da esposa, em uma comitiva de cinco automóveis.

O primeiro-ministro foi recebido em audiência privada pelo pontífice e os dois conversaram durante 25 minutos. Em seguida, o arcebispo de Londres, Cormac Murphy O´Connor, se juntou ao encontro, com quem continuou a conversa por mais dez minutos.

Depois, toda a comitiva de Blair foi saudada por Bento XVI, que recebeu do primeiro-ministro três fotos do cardeal John Henry Newman, que no século XIX passou do anglicismo ao catolicismo.

O primeiro-ministro britânico também se reuniu com o secretário de Estado do Vaticano, Tarcisio Bertone.

No total, Blair permaneceu por uma hora e vinte minutos no Vaticano, de onde saiu para um almoço no English College, antigo seminário de Roma para a formação de sacerdotes católicos britânicos, outro gesto interpretado como um possível desejo do político de se converter.

Um comunicado emitido depois do encontro pelo escritório de imprensa do Vaticano afirma que, na conversa, “foram repassadas algumas das importantes contribuições do primeiro-ministro Blair durante seus dez anos de mandato”.

A nota acrescenta que Blair e o Papa revisaram, “em um franco diálogo”, a atual situação internacional, “sem esquecer questões particularmente delicadas, como o conflito no Oriente Médio e o futuro da União Européia após a cúpula de Bruxelas”.

“Finalmente, após uma troca de opiniões sobre algumas leis aprovadas ultimamente pelo Parlamento do Reino Unido”, ambos comentaram o futuro imediato do primeiro-ministro do Reino Unido, que sairá do cargo na próxima quarta-feira.

O comunicado destaca que Blair expressou seu “vivo desejo” de se empenhar, particularmente, na busca da paz no Oriente Médio e no diálogo inter-religioso. O Vaticano não fez nenhum comentário sobre a possível conversão de Blair ao catolicismo, que as imprensas britânica e italiana acreditam que acontecerá em breve.

No entanto, em declarações ao jornal britânico The Times, divulgadas na edição na internet, Tony Blair, que é anglicano, afirmou que “as coisas não estão tão resolvidas como parecem”.

Os rumores sobre a eventual conversão de Blair, publicados em várias ocasiões, se intensificaram nesta sexta-feira na imprensa britânica, que citava como fonte a Igreja Católica.

A possibilidade da conversão do político ao catolicismo é encorajada pelo fato de que sua mulher, Cherie, pertence a esta religião, e Blair comparece semanalmente, com ela e seus filhos, a missas católicas.

Segundo as notícias publicadas, Blair não teria mudado de religião durante o mandato para evitar possíveis conflitos, devido ao papel do primeiro-ministro na nomeação dos bispos da Igreja Anglicana.

Fonte: Estadão