Para o pastor paulista Silvani da Silva, 41, da Assembleia de Deus de Danbury, a tragédia afetou a todos.

“Vários pais me pediram para ser discreto no culto de hoje [ontem] à noite sobre a tragédia. Há crianças dizendo que estão com medo de ir para a escola.”

“Somos uma comunidade muito unida, há muitos brasileiros aqui e este deve ser um dos lugares mais pacatos e tranquilos dos Estados Unidos. Deixo a porta do carro aberta sempre, é muito seguro”, disse Silva à Folha.

Ele mora há 14 anos na cidade e há oito anos abriu o templo, que hoje até abriga atividades do consulado itinerante para a comunidade.

Até a tarde de ontem, não havia notícias de brasileiros entre as vítimas da escola.

O consulado brasileiro mais próximo fica em Hartford, capital do Estado de Connecticut, a 78km de Newtown, onde aconteceu a tragédia.

Mas é em Danbury, cidade de 80 mil habitantes, vizinha a Newtown (que tem apenas 28 mil), que concentra boa parte da vida do condado, com hotéis, hospital e um centro comercial.

“Já fomos cerca de 15 mil brasileiros na região, a maioria de Minas e Goiás, mas desde 2008 esse número encolheu muito”, afirma o pastor.

“Hoje devemos ser uns 6.000 brasileiros na área. Houve muita perseguição aos ilegais, muita gente perdeu o emprego na crise e a situação no Brasil melhorou um pouco”, explica Silva.

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]