Partidos pediram ao governo de Barack Obama para que a liberdade religiosa e outros direitos humanos fossem colocados na Coreia do Norte, já que uma nova liderança está se consolidando no poder do país.

O apelo foi feito uma semana antes de a ditadura comunista norte-coreana ser nomeada, no dia 4 de janeiro pela Missão Portas Abertas, como o país que mais persegue os cristãos no mundo todo pelo 10º ano consecutivo.

A Comissão americana de Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) fez esse apelo em forma de carta que foi enviado para Hillary Clinton, secretária do Estado americano.

A carta do presidente da USCIRF, Leornard Leo, pedia que o governo dos EUA promovesse a proteção dos direitos humanos na Coreia do Norte, e também prestasse assistência humanitária e proteção aos refugiados norte-coreanos.

A carta chegou no dia 27 de dezembro, 10 dias depois da morte de Kim Jong-Il, que ficou 17 anos no poder da Coreia do Norte, governando com violência o povo norte-coreano, especialmente os cristãos.

A Coreia do Norte não é apenas comunista, mas é dominada por um culto que gira em torno da personalidade da família Kim. O falecido KimIl-Sung e seu já falecido filho, Kim Jong-Il, governaram o país por 63 anos e ele ordenou que os norte-coreanos adorassem a ele.

A família Kim, os militares de alta patente e a elite do país têm prosperado enquanto a maioria dos norte-coreanos tem sofrido gravemente com a fome enquanto o governo desenvolve programas nucleares.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]