Três cristãos foram retirados de suas casas na quarta-feira, 21, e estão presos sem acusações.

As autoridades levaram Jamal Ghalishorani, 49, e sua esposa Nadereh Jamali de sua residência em Tehran, cerca de meia hora após ter prendido Hamik Khachikian, um cristão armênio que também mora em Tehran. Ghalishorani e sua esposa são cristãos convertidos do islã, o que é considerado como apostasia no Irã, e tem pena de morte.

Fontes cristãs contaram que Ghalishorani se converteu há 30 anos, e sua esposa recebeu a Cristo há 15 anos. Eles têm uma flha de 13, e Khachikian tem dois filhos: uma menina de 11 e um menino de 16 anos. As autoridades não contaram às famílias sobre as acusações ou paradeiro dos presos.

Os três cristãos presos frequentam igrejas domésticas, e têm empregos, portanto não são sustentados pelo ministério. A polícia também apreendeu livros e computadores das casas dos familiares.

“Não sabemos porque a pressão é tão grande, mas vemos que está aumentando”, disse uma das fontes. “O governo também pressiona os Baha’i – houve mais prisões nos últimos meses do que nos últimos 30 anos.”

Outra fonte declarou que “Temos quase certeza que essas prisões são parte de uma operação maior do governo. Mais de 50 pessoas foram presas. Só em Tehran, são dez, todas no mesmo dia, em 21 de janeiro.”

Os familiares temem pela segurança dos entes presos. A esposa de Khachikian está “muito confusa, ela não ideia de onde seu marido está”, diz. “Os parentes estão tomando conta da filha de Jamal e Nadereh, mas é claro que ela está muito ansiosa a respeito do que vai acontecer com seus pais.”

As prisões são particularmente perturbantes em relação ao novo código penal aprovado em setembro, que sentenciam à pena de morte os “apóstatas”, ou aqueles que deixam o islã.

De acordo com o código penal, os homens “apóstatas” devem ser executados, já as mulheres recebem pena de prisão perpétua. O último cristão convertido que foi executado pelo governo do Irã foi Hossein Soodmand, em 1990. Ele foi acusado de trabalhar como “espião americano”. Desde então, seis pastores protestantes foram mortos por assassinos desconhecidos.

Fonte: Portas Abertas