gio em Istambul financiado por dinheiro público alemão é proibido de realizar atividades natalinas com alunos. Governo Merkel chama de decisão de lamentável, e políticos falam em ataque à liberdade religiosa.Causou irritação no governo em Berlim a decisão das autoridades turcas, tornada pública neste domingo (18/12), de proibir celebrações de Natal numa tradicional escola alemã em Istambul. O caso, afirma a imprensa alemã, tem potencial para azedar ainda mais as relações bilaterais.

[img align=left width=300]http://comprerural.com.s3-us-west-2.amazonaws.com/wp-content/uploads/2016/09/01111844/bandeira-da-turquia.jpg[/img]A “Istanbul Lisesi”, escola pública de ensino médio, existe há mais de um século. Nela, lecionam 35 professores alemães, pagos, segundo a revista Der Spiegel, com dinheiro do contribuinte alemão. O colégio é considerado um dos melhores do país, e recebe milhões de euros por ano da Alemanha.

“Nós não entendemos a surpreendente decisão da diretoria da Istanbul Lisesi”, afirmou neste domingo o Ministério das Relações Exteriores alemão. “É lamentável que a boa tradição pré-Natal de troca intercultural em uma escola de longa tradição turco-alemã tenha sido abandonada neste ano.”

O deputado Franz Josef Jung, encarregado para assuntos de religião da União Democrata Cristã (CDU) no Parlamento alemão, descreveu a decisão como “totalmente inaceitável”. Ele cobrou uma reação das autoridades alemãs.

“Se a República Federal Alemanha financia os professores nessa escola, ela também tem o direito de determinar o conteúdo das aulas”, afirmou o correligionário da chanceler federal Angela Merkel. “O governo alemão precisa insistir nisso em Ancara.”

[b]”Destruindo pontes com a Europa”
[/b]
Andreas Scheuer, secretário-geral da União Social Cristã (CSU), partido bávaro membro da coalizão de governo, tratou o caso como um atentado à liberdade religiosa. “É mais uma prova de que a Turquia de Erdogan quer destruir todas as pontes para a Europa”, disse à imprensa alemã.

Embora reconhecida por Berlim como uma escola alemã, a Istanbul Lisesi é tradicionalmente frequentada apenas por alunos turcos. Ela é gratuita e aberta também a estudantes de famílias pobres. O critério de seleção dos alunos é desempenho escolar.

Ao fim do curso, os alunos têm a oportunidade de fazer o vestibular alemão e estudar na Alemanha. Metade dos professores vem da Alemanha, e a maioria das matérias é ensinada em língua alemã.

“De acordo com uma decisão da diretoria da escola, não se poderá mais lecionar, informar ou cantar sobre os costumes de Natal e a festa cristã durante as aulas”, diz um e-mail enviado na terça-feira pela chefia do departamento alemão da escola ao corpo docente.

[b]Oposição cobra governo
[/b]
Porta-voz do Partido Verde no Parlamento para assuntos de Educação, Özcan Mutlu, afirmou estar “simplesmente chocado” com o caso. “Tem que haver consequências”, disse o deputado alemão, que nasceu na Turquia. Segundo ele, se as autoridades turcas não voltarem atrás, o financiamento alemão à escola deveria ser revisto.

O deputada do Partido A Esquerda Sevim Dagdelen, que tem ascendência truca, argumentou em tom ainda mais alto: para ela, o governo alemão não pode financiar uma escola se “na ditadura islâmica” de Erdogan “até a menção ao Natal é proibida”.

A Turquia de Erdogan é um aliado crucial para o governo lidar com a crise migratória na Europa, já que aceitou receber de volta imigrantes que partem de seu território rumo à Grécia. O acordo fez a quantidade de refugiados em território europeu despencar em 2016 frente ao ano anterior.

Desde a tentativa frustrada de golpe contra Erdogan, em 15 de julho, as relações entre Alemanha e Turquia vêm se deteriorando. Em diversas ocasiões, Berlim manifestou preocupação com a repressão pós-golpe, que resultou na prisão de cerca de 37 mil pessoas e na demissão ou suspensão de mais de 100 mil funcionários do governo.

[b]Fonte: Terra[/b]