Turquia – O convento assírio São Gabriel, da Igreja Ortodoxa de Antioquia da Sìria, foi estabelecido no ano 397, centenas de anos antes de seus vilarejos vizinhos de Yayvantepe, Eglence e Candarli terem sido fundados

Líderes curdos desses vilarejos, em conjunto com membros influentes do partido Justiça e Desenvolvimento (AKP), estão tentando confiscar a terra do convento por “meios legais”, reivindicando que ele é necessário para fazer pastos para esses vilarejos, e não para fazer “oração”.

Dois dos vilarejos, Yayvantepe e Eglence, estão em disputa em suas fronteiras. Mas é visível que, ao invés de resolverem essa questão em relação às suas fronteiras, os responsáveis pelas vilas uniram forças para atacar o convento. Em um release enviado em 3 de setembro, o presidente da Fundação do Convento São Gabriel, Kuryakos Ergün, chamou de infundadas as alegações trazidas contra o monastério pelos líderes dos três vilarejos.

O convento fez um apelo detalhado ao Escritório dos Direitos Humanos do Parlamento Turco. Porém, não se espera uma resposta rápida.

Sob a liderança do Arcebispo Samuel Aktas, o convento foi completamente reformado nos últimos 30 anos e funciona como centro social e religioso para os poucos cristãos assírios da região. Isso representa uma pedra no sapato do governo turco e de seus subordinados locais, especialmente desde o retorno de muitos assírios aos seus vilarejos destruídos, reivindicando sua terra que foi ocupada pelos curdos, e começando a reconstruir suas casas.

“Se os ataques contra nós continuarem dessa forma e se todos os meios legais se esgotarem apesar das tentativas, iremos apelar à Corte Européia de Direitos Humanos e às Comissões da União Européia quando apropriado” – disse Kuryakos.

Nesse meio tempo, as Organizações Assírias do Leste Europeu trouxe o assunto às organizações políticas relevantes de vários países. Também fez apelações aos membros do Parlamento Europeu.

A Turquia continua a receber mais de 500 milhões de euros para as medidas preliminares da candidatura à membro da União Européia. No entanto, os cristãos assírios continuam ameaçados e afligidos.

Apesar das negociações feitas para entrar na União Européia desde 2005, a Turquia obviamente não hesita em pressionar os cristãos que restaram no sudeste do país e, especialmente em atingir um monastério que parece essencial para a sobrevivência da população cristã assíria.

Fonte: Portas Abertas