O conselho da TV Brasil deve retomar em fevereiro uma discussão espinhosa: a presença de programação religiosa na emissora.

Parte dos conselheiros defende a retirada do ar da “Santa Missa”, transmitida aos domingos, sob o argumento de que “o Estado é laico”.

Tereza Cruvinel, presidente da TV Brasil, sugere que, em vez de excluir a celebração católica, a rede abra espaço a outras religiões. “A TV não é estatal, é pública. Por isso, tem que retratar a diversidade religiosa”, diz.

A ideia de Cruvinel é criar faixas de 15 minutos na grade, com programas específicos de cada religião. Dados do IBGE podem servir de base para selecionar os grupos contemplados.

Dá um exemplo: “Se os budistas, um grupo importante, são menos de 1% da população, eles ficariam de fora. Mas se conseguirmos representar os outros 99% será um avanço”.

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]