O governo cubano acolheu o pedido feito pelo papa Bento XVI durante sua visita ao país em março. Será a primeira vez em mais de 50 anos.

“O arcebispo de Cuba, cardinal Jaime Ortega, vai celebrar a missa na cathedral e o evento sera transmitido ao vivo pelo canal educativo da televisão cubana”, anunciou um porta-voz da Igreja Católica.

[img align=left width=300]http://www.portugues.rfi.fr/sites/portugues.filesrfi/imagecache/rfi_43_large/sites/images.rfi.fr/files/aef_image/CUBA_2_0.JPG[/img]Também está prevista uma Via Crucis entre a catedral e uma igreja do bairro antigo de Havana.

Desde a Revolução Cubana de 1959, esta é a primeira vez que o país decreta feriado na Sexta-Feira Santa, um pedido feito ao presidente Raul Castro pelo papa Bento XVI.

“É preciso reconhecer com alegria que Cuba está dando passos para que a Igreja possa dar prosseguimento à sua missão de exprimir publicamente e abertamente sua fé. No entanto, é necessário ir além. Eu desejo encorajar as instâncias governamentais da nação a fim de reforçar o que já foi obtido e avançar no caminho de um autêntico serviço ao bem comum de toda a sociedade cubana”, afirmou o papa.

As procissões católicas tinham sido proibidas em Cuba em 1961 e a festa de Natal, em 1969. Ambas voltaram a ser autorizadas em 1998, no ano da visita do então papa João Paulo II.

[b]Fonte: RFI[/b]