A Universidade do Sudoeste do Estado de Oklahoma (SWOSU, sigla em inglês), adotou uma política interna na qual exige que todos os empregados se contenham em usar a palavra “Natal”, seja de forma oral ou escrita.

Esta orientação foi determinada depois que o Procurador-Geral de Oklahoma, W.A Drew Edmondson, enviou uma carta à universidade, seguida de uma queixa de um dos universitários.

John Misak, o diretor de Recursos Humanos, visitou vários departamentos informando que deveria ser removido imediatamente qualquer enfeite ou decoração que caracterizasse o “Natal” em qualquer área de trabalho ou área pública da universidade. Ele também instruiu todos os funcionários a não usarem mais o termo “Natal” em seus discursos ou durante o trabalho.

Esta censura especificamente inclui a troca de saudações de “Feliz Natal” entre funcionários ou colaboradores. O Natal permanece um feriado legal para empregados estatais, incluindo os da universidade. O orientação não abordou nenhum outro feriado legal como Ação de Graças ou o Ano Novo.

Os anúncios feitos por Misak violam diretamente a Constituição dos Estados Unidos e outras leis federais. A Primeira Emenda proíbe o governo de ser hostil à religião. Escolher um feriado legal para ter restrições especiais só porque possui aspectos religiosos demonstra hostilidade contra a religião.

Nada de falar ou escrever “Feliz Natal”

Além disso, foram infringidos os direitos à liberdade de expressão na universidade em relação ao que se fala ou se escreve. Um empregador público como a SWOSU também viola o Ato de Direitos Civis ao proibir seus empregados de dizerem “Feliz Natal.”

Mathew D.Staver, fundador e presidente do Conselho pela Liberdade e reitor da Faculdade de Direito, comentou: “Em todos os lugares e em todas as universidades públicas se encoraja a livre expressão. Como uma universidade pública acha que pode proibir seus empregados de dizer ‘Feliz Natal’? Além disso, o Natal é um feriado estadual e federal”.

Fonte: Portas Abertas