As eleições da Convenção Geral das Assembleias de Deus estão suspensas, é o que decidiu na manhã deste domingo, 09, a juíza Angélica dos Santos Costa (Processo nº 0084255-87.2017.8.19.0001). A eleição que acontece por meio eletrônico iniciou às 00 horas deste domingo e se encerra às 18 horas.

“Determino a suspensão das eleições da Mesa Diretora e do conselho fiscal da Convenção Geral das Assembleias de Deus do Brasil para o quadriênio 2017/2021, devendo ser designada nova data com observação de todas as ordens judiciais proferidas”.

[img align=left width=500]http://www.jmnoticia.com.br/wp-content/uploads/2017/04/WhatsApp-Image-2017-04-09-at-11.02.52.jpeg[/img]

A Justiça mandou intimar a CGADB e a Sctyl do Brasil. A oficiala de justiça plantonista Elizabete do TJDFT se dirigiu ao endereço informado na ordem e cumpriu mandado judicial às 10:45h intimando o Dr Abiezer Apolinário de hoje (9) no Hotel Cullinan Hplus Premium.

Ainda de acordo com a juíza Angélica dos Santos Costa em sua decisão, “o periculum in mora evidencia-se no ambiente de instabilidade política e social que o ato atacado pode provocar se levado à deliberação na data designada, especialmente considerando o descumprimento a comandos judiciais”.

A magistrada afirmou ainda que ao analisar os requisitos para a concessão da liminar, observou que o fumus boni juris vem demonstrado pelo impedimento do administrador judicial ao processo eleitoral, tendo em vista que a justiça nomeou um interventor judicial (Dr. Márcio José de Oliveira Costa), para comandar o processo eleitoral, no entanto, o mesmo não teria tido acesso aos processos.

[b]INSCRIÇÕES[/b]

Segundo informações, às 10.479 inscrições anuladas pela justiça teriam sido validadas pela empresa Sctyl do Brasil, que comanda o processo eleitoral.

O limite de 5 votos por IP estipulado pela justiça, também foi alterado para 1.000.

Disputam à presidência da CGADB, os pastores Cícero Tardim, Samuel Câmara e Wellington Júnior.

[b]Polêmicas e escândalos[/b]

O pastor José Wellington Júnior, filho do atual presidente, havia sido retirado da corrida ao cargo em 8 de fevereiro pelo juiz Levine Raja Gabaglia Artiaga, que cassou por meio de liminar sua candidatura e também afastou o presidente e vice-presidente da comissão eleitoral Antonio Carlos Lorenzetti de Melo e Wilson Pinheiro Brandão.

A liminar acatada pelo juiz no Amazonas, foi requerida pelo pastor ligado à convenção Efraim Soares de Moura, que elencou diversas irregularidades, entre elas o fato de José Wellington – filho do atual presidente José Wellington Bezerra da Costa – não ter se desincompatibilizado do cargo de presidente da CPAD (Casa Publicadora das Assembleias de Deus).

De acordo com a regra expressa no edital que regulamenta o processo eleitoral, diretores da editora estão impedidos de se candidatar. Moura alega que a desincompatibilização deveria ter sido informada por meio de documentos no ato do registro, o que não foi realizado.

Também foram descobertas pela Justiça irregularidades no processo de votação, por parte da cúpula da CGADB. Em meio a uma “guerra de liminares”, está o futuro da maior convenção evangélica de pastores do país.

Nos últimos 25 anos o pastor José Wellington Bezerra da Costa liderou a denominação, mas não quer mais concorrer, preferindo indicar seu filho. Com a candidatura cassada de seu possível sucessor, a disputa seria entre o pastor Samuel Câmara, de Belém do Pará e Cícero Aparecido Tarjim, de Alto Piriqui, no Paraná.

Além da disputa pela legitimidade de sua candidatura, foram comprovadas irregularidades na empresa Scytl Soluções em informática, que comandaria o processo. Por ordem judicial, 10.479 inscrições para votação foram canceladas, pois dentre elas existiam “pastores” cadastrados que não existem ou já estão mortos.

O Supremo Tribunal de Justiça decidir juntar no fórum de Madureira, no Rio de Janeiro, os 14 processos em andamento. O Juiz Thomas Souza decidiu manter todas as intervenções e punições em caso de desobediência ou obstrução da justiça, e o cancelamentos das inscrições irregulares. Ao mesmo tempo, devolveu a José Wellington da Costa Jr. o direito de concorrer no pleito de domingo.

Com o cumprimento de outras duas liminares, foi afastada toda a comissão eleitoral e nomeado como “interventor” o dr, Márcio José Oliveira da Costa, que estará no comando na eleição de domingo.

De acordo com fontes do site JM Notícia, lideranças do pastor Samuel Câmara não conseguiram acesso aos dados da eleição, requerimentos não foram atendidos e após várias tentativas frustradas de acordo, diversas ações foram impetradas, novamente, às vésperas destas novas eleições.

[b]Fonte: JM Notícia e Gospel Prime[/b]