Três pessoas invadiram e depredaram quinta-feira de madrugada o Santuário de Santa Sara Kali — padroeira dos ciganos —, na Estrada do Gabinal, em Jacarepaguá. Segundo vizinhos do centro, dois homens e uma mulher destruíram imagens que estavam sobre o altar. Os donos do santuário registraram o caso como intolerância religiosa na 32ª DP (Taquara).

O tempo funciona no local há um mês. Antes, o espaço era usado pela Igreja Evangélica Nova Vida. “Quem fez isso não queria roubar, porque nada foi levado. Fizeram isso porque são contrários à nossa religião. Nossa indignação não é pelo prejuízo, é pelo preconceito. É um desrespeito com o nosso sagrado”, disse Joelmir de Carvalho Armendro, 45, responsável pelo templo.

No momento do crime, o local estava vazio. Os vândalos entraram por um basculante e permaneceram no templo por meia hora. O crime só foi descoberto às 18h de quinta. O prejuízo calculado é de R$ 500.
“O templo é vinculado ao umbandismo, mas as reuniões são tranquilas, não há atabaques, não fazemos barulho nem atrapalhamos os vizinhos”, disse o frequentador Renato D’Obaluaê, 48.

A Comissão de Combate à Intolerância Religiosa divulgou nota de protesto contra a depredação. Com este, já são oito os casos de intolerância registrados em delegacias este ano. O delegado Henrique Pessoa, responsável por acompanhar esses crimes, informou que há 18 meses, desde que a Polícia Civil passou a trabalhar com a comissão, o número de queixas subiu em 400%. “Quase sempre templos umbandistas são os atacados”, afirmou.

Fonte: O Dia online