O arcebispo Rino Fisichella, presidente da Academia Pontifícia para a Vida do Vaticano, qualificou neste sábado de arrogância a autorização do presidente Barack Obama de financiar organizações americanas a praticar o aborto no exterior.

“É a arrogância de quem acredita que faz o que é justo ao assinar um decreto que apoia o aborto e, portanto, a destruição de seres humanos”, criticou Fisichella em uma entrevista ao jornal italiano “Corriere della Sera”.

O novo presidente dos Estados Unidos derrubou ontem um dispositivo que proibia a todas as organizações não governamentais o financiamento do Estado americano para a prática de abortos ou o fornecimento de serviços relacionados à interrupção da gravidez fora dos Estados Unidos.’

Os Estados Unidos são um dos maiores financiadores de programas de planejamento familiar em todo o mundo, em especial em países em desenvolvimento.

Mas o antecessor de Obama, o ex-presidente George W. Bush, vetou o envio de verbas a entidades pró-aborto.

A ação de Obama representa mais uma reversão de decisões tomadas durante a gestão do ex-líder americano.

“Se este é um dos primeiros atos do presidente Obama, com todos meu respeito, penso que o caminho para a decepção foi curto”, afirmou o arcebispo. “Não acredito que os que votaram nele tenham levado em consideração as questões que deixou de lado de maneira tão astuta durante o debate eleitoral. A maioria da população americana não tem a mesma postura que o presidente e sua equipe.”

O arcebispo também criticou a autorização do governo americano para o primeiro experimento em seres humanos com células-tronco embrionárias humanas, o que pode abrir o caminho para o tratamento de doenças até agora incuráveis.

“Minha primeira impressão é que cedeu à pressão das multinacionais do setor. O problema não é científico, e sim ideológico e econômico”, afirmou o arcebispo.

Fonte: Folha Online