A exposição com fotos tiradas dentro de igrejas locais fere a Constituição Italiana.

Uma galeria de arte da cidade de Roma (ITA) foi notificada por meio do Vaticano, sede da Igreja Católica, em função de um aviso legal que vetou uma exposição com fotos de casais gays se beijando em altares de igrejas locais.

Por conta da medida, a exposição que seria promovida nesta semana pela Galleria L’Opera teve que ser cancelada, depois dos integrantes da galeria deliberarem após uma consulta direta com seus advogados.

“A carta chegou do Vicariato de Roma, uma organização que integra o Vaticano, com o relato de que a igreja é contra a exposição. Eu conversei com nossos advogados e por razões de segurança, decidimos não mostrar as fotos”, afirmou o artista espanhol Gonzalo Orquín, membro da galeria e católico, segundo o jornal The Local.

A coleção que estaria na galeria é preenchida por várias fotografias compostas por voluntários gays e heterossexuais dentro de igrejas locais. As imagens foram capturadas em momentos inesperados.

“Nós íamos para igrejas, tirávamos as fotos no altar e fugíamos. É um trabalho parecido com um flash mob (mobilização instantânea de pessoas para terminada ações). Mas por algumas vezes, tivemos que sair, pois havia um povo de oração. Não foi fácil”, acrescenta Orquín.

Para justificar a atitude da Igreja, Claudio Tanturri, porta-voz do Vicariato, relata que as fotos violam a Constituição Italiana, e sobretudo fere a sensibilidade e a consciência de quem está envolvido com sua fé.

“O Direito Constitucional Italiano protege o sentimento religioso de um indivíduo e a função dos lugares de culto. Por isso que as fotos não são adequadas, pois não há como aceitar que a espiritualidade do lugar seja atingida e a infrinja com o avanço do homem em um lugar exclusivo para a expressão da fé”, explica Tanturri.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]