A decisão da Grã-Bretanha de autorizar a criação de embriões híbridos, gerados a partir da integração de DNA humano em óvulos de animais, é um “ato monstruoso”, afirmou nesta quarta-feira monsenhor Elio Sgreccia, presidente da Academia Pontifical para a Vida.

“É um ato monstruoso que vai contra a dignidade humana”, declarou o prelado à Rádio Vaticano.

“É necessário que a comunidade científica se mobilize o mais rápido possível. Acreditamos que o governo britânico cedeu diante dos pedidos, sem dúvida imorais, de um grupo de cientistas”, acrescentou o monsenhor Sgreccia.

A Autoridade Britânica de Fertilidade Humana e Embriologia (HFEA) deu nesta quarta-feira sua aprovação “de princípio” à polêmica criação de embriões híbridos, a partir da integração de DNA humano em óvulos de animais e destinados à investigação de doenças como o mal de Alzheimer.

A decisão da HFEA se baseia na necessidade de amenizar a falta de ovócitos humanos destinados à clonagem de embriões com fins terapêuticos, fato permitido na Grã-Bretanha, diferentemente de outros países, como a França.

O Vaticano sempre se opôs a qualquer tipo de manipulação de embriões, por considerá-los seres humanos sob qualquer circunstância.

No final de junho, o Papa Bento XVI lembrou da posição da Igreja Católica sobre o tema, que estipula que “a investigação científica deve ser fomentada, mas não deve se desenvolver em detrimento dos outros seres humanos, cuja dignidade é intocável desde os primeiros momentos da existência”.

Fonte: AFP