Os documentos vazados denunciam corrupção no relacionamento financeiro entre a Igreja e empresas italianas.

O Vaticano negou na segunda-feira, em meio à maior crise no pontificado de Bento 16, notícias de que cardeais seriam suspeitos em uma investigação sobre o vazamento de documentos, num caso que já levou à prisão do mordomo do papa.

De acordo com a imprensa italiana, o mordomo Paolo Gabriele era apenas um “leva-e-traz” numa disputa de poderes na Santa Sé. O escândalo estourou na semana passada, quando o chefe do banco do Vaticano foi repentinamente demitido, o mordomo foi detido por acusações de furto de documentos, e foi publicado um livro apontando conspirações entre os cardeais.

Os documentos vazados para os jornalistas denunciam corrupção no vasto relacionamento financeiro entre a Igreja e empresas italianas.

Embora negando a veracidade dos relatos, o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, disse numa entrevista coletiva que “isso é naturalmente algo que pode afetar a Igreja, e testar a confiança nela e na Santa Sé”.

Lombardi negou que “qualquer cardeal, italiano ou não, seja suspeito”. Ele acrescentou que o papa está sendo informado do assunto, e que “continua no seu caminho de serenidade, na sua posição de fé e moral que está acima da refrega”.

Carlo Fusco, advogado do mordomo, disse que ele está “muito sereno e tranquilo”, e que pretende colaborar com as investigações.

[b]BODE EXPIATÓRIO
[/b]
Uma fonte anônima e responsável pelo vazamento de alguns documentos disse ao jornal italiano “La Reppublica” que o mordomo está sendo usado como bode expiatório, porque a Igreja não ousa implicar os cardeais responsáveis pelos vazamentos.

“Há vazadores entre os cardeais, mas o Secretariado de Estado não podia dizer isso, então prenderam o servidor, Paolo, que estava só entregando as cartas em nome de outros”.

Ao “La Stampa”, o responsável por um dos vazamentos afirmou que o objetivo das denúncias é ajudar o papa a erradicar a corrupção.

O Secretariado de Estado, órgão administrativo do Vaticano, é comandado pelo cardeal Tarcisio Bertone, poderoso braço-direito do papa, e o escândalo parece envolver uma disputa de poder entre seus aliados e inimigos, evocando as conspirações renascentistas na Santa Sé.

[b]Fonte: Folha.com[/b]