Os médicos que praticaram aborto em uma menina colombiana de 11 anos, que engravidou depois de ser estuprada por seu padrasto, serão excomungados, anunciou nesta terça-feira o cardeal Alfonso López Trujillo, diretor do Conselho Pontifício para a Família no Vaticano.

“Todas as pessoas que participaram deste procedimento são uns malfeitores porque tiraram a vida de um inocente antes de seu nascimento”, afirmou o cardeal López Trujillo em declarações ao canal de TV RCN, a partir de Roma.

“Todas as pessoas que participaram ou foram cúmplices (do aborto) serão excomungadas”, acrescentou.

A menor foi submetida ao procedimento na quinta-feira no hospital estatal Simón Bolívar de Bogotá, em cumprimento a uma decisão da Corte Constitucional que descriminalizou o aborto em casos de estupro, grave perigo para a saúde da mãe ou malformação congênita do feto.

Os médicos do hospital inicialmente se negaram a praticar o aborto, argumentando que a decisão da Corte não havia sido regulamentada, mas o tribunal obrigou os médicos a cumprirem a solicitação apresentada pela avó da menor, por se tratar de um caso de estupro.

Fonte: AFP