Uma nova polêmica surgiu entre a Igreja Católica e o governo da Espanha, após a aprovação no país de “leis éticas” que prevêem, entre suas medidas a “educação à cidadania” obrigatória nas escolas.

Após a divulgação da medida, a Conferência Episcopal espanhola fez um apelo aos pais que declarem “objeção de consciência” e peçam que seus filhos sejam liberados das aulas.

“O Estado não pode impor legitimamente uma formação da consciência dos alunos à margem da livre escolha dos pais, pretendendo formar, com aulas obrigatórias, a consciência moral e cívica dos alunos”, diz uma nota divulgada pelos bispos espanhóis.

“O direito dos pais de escolher o tipo de formação moral e religiosa a ser seguida pelos próprios filhos é primordial, insubstituível e inalienável, além de previsto pela própria Constituição espanhola”, continuou o comunicado.

“Por conseqüência, os pais têm o direito de fazer objeção de consciência ao ensino da matéria ‘Educação à cidadania’ e denunciar essa lei, unidos por sua disposição para defender o direito de escolher a educação moral dos próprios filhos”, declararam os bispos. (ANSA).

Fonte: Ansa