A ‘ameaça’ da máfia sobre o Papa Francisco é desmentida pelo Vaticano, que garante que “não há motivos para alarmismo” e “tudo decorre de forma normal”.

Segundo Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, o líder da Igreja Católica não corre perigo, ao contrário do que foi adiantado por um procurador italiano, que afirmara que Francisco estaria na mira da máfia calabresa, sobretudo da N’drangheta.

“Quando o Papa Francisco começa a dizer que quer uma clareza total e transparência absoluta dentro da Igreja, e nas relações entre a sociedade, isso enfurece muita gente”, afirmou Marco Politi, do jornal Il Fatto Quotidiano, numa alusão à máfia calabresa, que estaria irritada com a perda de poder econômico por culpa da luta anticorrupção de Francisco.

No entanto, o porta-voz do Vaticano desmente que o Papa corra perigo e revela também que a Igreja não está tomando medidas excepcionais, tendo em vista a segurança do Santo Padre. “Não há nenhum motivo para alarmismo. Estamos absolutamente tranquilos e tudo decorre de forma normal”, esclareceu Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano.

O caso foi suscitado depois de um procurador italiano. Segundo Nicolaum Gratteri, que tem em mãos alguns dos processos relacionados com a máfia calabresa, o Papa Francisco pode estar na mira destas organizações perigosas, sobretudo da N’drangheta.

Em declarações ao The Guardian, o procurador afirma que a luta contra a corrupção, que o Papa tem protagonizado, não apenas no Vaticano, não está agradando à máfia, que teme a perda do controlo na região.

O procurador da Reggio Calabria afirmou também ao jornal ‘Il Fatto Quotidiano’ que “tem certeza que a máfia está pensando em fazer algo”, não se sabendo “se está em condições de avançar”.

Nicola Gratteri revela que alguns dirigentes daquela organização mafiosa estão “nervosos” com a possibilidade de saírem prejudicados com a tentativa do Papa Francisco em pôr termo aos centros de poder no Vaticano.

“O Papa Francisco está desmantelando centros de poder econômico no Vaticano. Quem até agora se alimentava do poder e da riqueza que deriva diretamente da Igreja está agitado”, afirma aquele procurador italiano ao diário britânico. Segundo argumenta, essa decisão papal está “mexendo com interesses” que contaram, ao longo de décadas, com “conivência da Igreja”.

O pontificado de Francisco inverteu essa lógica, mas esta atitude corajosa poderá ter um preço: a vida de um Papa que já entrou no coração do mundo. “Se os líderes [da máfia calabresa] puderem pará-lo, não hesitarão”, refere ainda Gratteri.

Mas o Vaticano vem pôr água na fervura e desmentir que o Papa Francisco esteja em perigo.

[b]Fonte: PT Jornal – Portugal[/b]