A Igreja católica pediu para as suas 209.000 escolas espalhadas pelo mundo que priorizem o diálogo entre as culturas e religiões, respeitando a sua identidade cristã, segundo um documento publicado pelo Vaticano.

O documento da Congregação para a Educação Católica, intitulado “Educar para o diálogo intercultural”, destaca que com o multiculturalismo crescente e as migrações em massa, as escolas católicas recebem cada vez mais alunos que seguem outras religiões ou que são ateus.

Por esta razão, o diálogo interreligioso “não deve ser compreendido como um compromisso barato, mas como um diálogo construtivo”, declaram seus autores, lembrando que o “diálogo” é uma “palavra-chave” da mensagem do Papa Francisco.

As escolas devem “fornecer instrumentos para conhecer e apreciar as outras culturas”, acrescentam.

Ao mesmo tempo, o ministro da Educação do Vaticano, o cardeal Zenon Grocholewski, afirma que a escola católica, “para ter um papel construtivo”, “não deve enfraquecer sua própria identidade, mas reforça-la”.

E deve sempre “inserir entre as suas disciplinas o ensino da religião católica”.

Em 2011, foram registrados 57,6 milhões de estudantes em 209.670 escolas católicas (contra 54,6 milhões em 203.397 escolas três anos antes), segundo a mais recente estimativa publicada pelo Vaticano.

O crescimento do número de alunos em estabelecimentos católicos na África, Ásia e Oceania compensa a diminuição do número na Europa e nas Américas. Entre 2008 e 2011, 6.273 novas escolas foram fundadas no mundo.

[b]Fonte: AFP[/b]