Arcebispo brasileiro afirmou que os valores da Teologia da Libertação continuam sendo válidos.

O arcebispo brasileiro Dom João Braz de Aviz, prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, afirmou que os valores da Teologia da Libertação continuam sendo válidos, mas que ainda é necessário desvincular as causas sociais das influências ideológicas.

“A opção preferencial pelos pobres é uma opção evangélica da qual dependerá, sobretudo, nossa salvação. Sua construção por parte da Teologia da Libertação representou um olhar sincero e responsável da Igreja com o vasto fenômeno da exclusão social”, disse o prelado brasileiro em declarações publicadas nesta terça-feira pelo diário vaticano “L”Osservatore Romano”.

Dom João Braz de Aviz, de 64 anos, lembrou que o papa João Paulo II, falecido em 2005, declarou certa vez que a Teologia da Libertação “não só é útil, mas também necessária”.

O prefeito da Congregação indicou que é preciso continuar corrigindo a interpretação da realidade feita pelo método marxista.

“Acredito que ainda não foi suficientemente completado o trabalho teológico para desvincular a opção pelos pobres de sua dependência de uma Teologia da Libertação ideológica, tal como advertiu recentemente (o papa) Bento XVI”, acrescentou o arcebispo.

A corrente de pensamento da Teologia da Libertação foi bastante influente na América Latina nos anos 1970 e 1980. Na época, o Vaticano viu com perigo que as tentativas dos teólogos de abordarem cada vez mais as causas sociais se vissem influenciadas por ideias marxistas alheias à mensagem cristãs.

[b]Fonte: Terra[/b]