[img align=left width=300]https://conteudo.imguol.com.br/c/noticias/15/2017/08/02/2ago2017—plenario-da-camara-dos-deputados-em-brasilia-nesta-quarta-feira-quando-sera-votada-a-denuncia-contra-o-presidente-michel-temer-1501688687672_615x300.jpg[/img]

Em sessão que começou pouco depois das 9h desta quarta-feira (02) e terminou às 21h51, a Câmara dos Deputados decidiu barrar a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer (PMDB), acusado de corrupção passiva junto com o seu ex-assessor Rodrigo da Rocha Loures (PMDB-PR).

A base aliada precisava de 172 votos (entre “sim”, ausências e abstenções) para impedir o prosseguimento da investigação no STF (Supremo Tribunal Federal). O voto que garantiu a vitória do governo saiu às 20h26, com o “sim” dado pelo deputado Aureo (SD-RJ).

Ao todo, 492 dos 513 deputados da Câmara registraram presença na sessão de ontem. Desses, 263 votaram com o relatório do deputado Abi-ackel (PSDB-MG), ou seja, a favor do arquivamento da denúncia; 227 votaram “não” (ou seja, pedindo abertura de investigação); e dois se abstiveram.

Entre as justificativas usadas nos votos, diversos deputados afirmaram que a permanência do presidente Michel Temer seria importante para dar estabilidade econômica ao país. Alguns congressistas também se referiram ao reforço da agricultura prometido pelo presidente, que na terça-feira (1º) teve um almoço com representantes das bancadas ruralistas da Câmara e do Senado.

Com a rejeição pela Câmara, essa acusação de corrupção contra o presidente só poderá ser analisada pela Justiça comum quando Temer deixar o cargo. Por ser presidente da República, Temer só é julgado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) se houver autorização dos deputados.

[b]Bancada evangélica[/b]

O presidente da Bancada Evangélica, Takayama (PSC-PR), e o vice-presidente Victório Galli votaram para impedir o prosseguimento da investigação no STF.

Além dos dois representantes, nomes notáveis como o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) e João Campos (PRB-GO) foram favoráveis ao presidente e contra as denúncias de corrupção que surgiram em proposta de possível impeachment.

Além deles, que sustentaram os 263 votos a favor, endossaram Silas Câmara (PRB-AM), Marcelo Aguiar (DEM-SP), Paulo Freire (PR-SP), Ezequiel Teixeira (PODE-RJ), Rosangela Gomes (PRB-RJ) e Luciano Braga (PRB-BA).

Ao mesmo tempo que a maioria foi favorável, também teve casos contra. Entre eles, o empresário Arolde de Oliveira (PSC-RJ), o cantor e compositor Lázaro (PSC-BA), Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) e seu pai Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

O deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) também foi contrário e afirmou: “Respeito o voto de todos meus colegas, entretanto desde o início do mandato eu assinei todas as CPIs, sejam da oposição ou do governo, pelo princípio que tudo no Brasil deve ser investigado para livrarmos o Brasil da corrupção! É um princípio da vida cristã, apoiar a investigação e o combate à corrupção de todos, ninguém está acima da lei.”

Cabo Daciolo (PTdoB-RJ), outro que foi contra, chegou a realizar seu voto com uma Bíblia na mão. “Do que adianta o homem ganhar o mundo todo e perder sua alma? Por todo o povo brasileiro, pela democracia no nosso país, por novas eleições gerais”, disse.

Em seguida, completou: “Eu quero falar pros parlamentares que a quadrilha que está instalada no Congresso Nacional, eu quero dizer a eles: Intervenção federal já”, afirmou.

Veja como votaram os deputados conforme lista da Frente Parlamentar Evangélica oficial do Congresso Nacional, que não engloba exclusivamente parlamentares protestantes/evangélicos e inclui simpatizantes de seus respectivos ideais:

[b]NÃO = aceita a denúncia (caso de Temer vai ao STF)[/b]

Alan Rick (PRB-AC)
Aliel Machado (REDE-PR)
Antônio Carlos Mendes Thame (PV-SP)
Antônio Jácome (PODE-RN)
Ariosto Holanda (PDT-CE)
Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP)
Arnaldo Jordy (PPS-PA)
Arolde de Oliveira (PSC-RJ)
Bebeto (PSB-BA)
Benedita da Silva (PT-RJ)
Betinho Gomes (PSDB-PE)
Cabo Sabino (PR-CE)
Capitão Augusto (PR-SP)
Carlos Andrade (PHS-RR)
Carlos Gomes (PRB-RS)
Carlos Manato (SD-ES)
César Halum (PRB-TO)
Chico Lopes (PCdoB-CE)
Damião Feliciano (PDT-PB)
Diego Garcia (PHS-PR)
Eduardo Bolsonaro (PSC-SP)
Eliziane Gama (PPS-MA)
Eros Biondini (PROS-MG)
Expedito Netto (PSD-RO)
Fábio Sousa (PSDB-GO)
Flavinho (PSB-SP)
Geovania de Sá (PSDB-SC)
Gonzaga Patriota (PSB-PE)
Hilssa Abrahão (PDT-AM)
Hugo Leal (PSB-RJ)
Irmão Lázaro (PSC-BA)
Jair Bolsonaro (PSC-RJ)
Jefferson Campos (PSD-SP)
JHC (PSB-AL)
João Derly (REDE-RS)
Joaquim Passarinho (PSD-PA)
Jony Marcos (PRB-SE)
José Stédile (PSB-RS)
Júlio Delgado (PSB-MG)
Laercio Oliveira (SD-SE)
Laudivio Carvalho (SD-MG)
Leo de Brito (PT-AC)
Leônidas Cristino (PDT-CE)
Leopoldo Meyer (PSB-PR)
Lincoln Portela (PRB-MG)
Luiz Carlos Heinze (PP-RS)
Luiz Carlos Ramos (PODE-RJ)
Luiz Lauro Filho (PSB-SP)
Marcelo Álvaro Antônio (PR-MG)
Nilto Tatto (PT-SP)
Orlando Silva (PCdoB-SP)
Otavio Leite (PSDB-RJ)
Pastor Eurico (PHS-PE)
Paulo Foletto (PSB-PE)
Paulo Magalhães (PSD-BA)
Paulo Teixeira (PT-SP)
Pedro Cunha Lima (PSDB-PB)
Pedro Uczai (PT-SC)
Pompeo de Mattos (PDT-RS)
Rafael Motta (PSB-RN)
Rocha (PSDB-AC)
Ronaldo Martins (PRB-CE)
Sérgio Brito (PSD-BA)
Sergio Vidigal (PDT-ES)
Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ)
Valadares Filho (PSB-SE)
Veneziano Vital do Rêgo (PMDB-PB)
Vittor Lippi (PSDB-SP)
Vitor Valim (PMDB-CE)

[b]SIM = rejeita a denúncia (Temer fica) [/b]

Ademir Camilo (Pode-MG)
Aguinaldo Ribeiro (PP-PB)
Alberto Fraga (Dem-DF)
Alceu Moreira (PMDB-RS)
Alexandre Valle(PR-RJ)
Alfredo Kaefer (PSL-PR)
Altineu Côrtes (PMDB-RJ)
Aluisio Mendes (Pode-MA)
André Abdon(PP-AP)
Andre Moura(PSC-SE)
Antonio Bulhões (PRB-SP)
Arnaldo Jordy (PPS-PA)
Arthur Lira(PP-AL)
Arthur Virgílio Bisneto(PSDB-AM)
Augusto Coutinho (SD-PE)
Aureo (SD-RJ)
Bebeto (PSB-BA)
Betinho Gomes (PSDB-PE)
Beto Mansur (PRB-SP)
Beto Salame(PP-PA)
Bruna Furlan (PSDB-SP)
Cacá Leão (PP-BA)
Carlos Henrique Gaguim (Pode-TO)
Carlos Manato (SD-ES)
Carlos Melles (Dem-MG)
Célio Silveira (PSDB-GO)
Celso Jacob(PMDB-RJ)
Celso Maldaner (PMDB-SC)
Cristiane Brasil (PTB-RJ)
Dâmina Pereira (PSL-MG)
Delegado Éder Mauro(PSD-PA)
Diego Andrade (PSD-MG)
Dilceu Sperafico (PP-PR)
Domingos Neto (PSD-CE)
Domingos Sávio (PSDB-MG)
Edmar Arruda (PSD-PR)
Eduardo Da Fonte (PP-PE)
Elizeu Dionizio(PSDB-MS)
Erivelton Santana (Pen-BA)
Evandro Gussi (PV-SP)
Evandro Roman (PSD-PR)
Ezequiel Teixeira (Pode-RJ)
Fabio Garcia (PSB-MT)
Fausto Pinato (PP-SP)
Felipe Maia(Dem-RN)
Francisco Floriano (Dem-RJ)
Genecias Noronha (SD-CE)
Gorete Pereira (PR-CE)
Goulart(PSD-SP)
Hélio Leite(Dem-PA)
Heuler Cruvinel(PSD-GO)
Izalci Lucas (PSDB-DF)
Jhonatan De Jesus (PRB-RR)
João Arruda(PMDB-PR)
João Campos(PRB-GO)
Jorge Tadeu Mudalen (Dem-SP)
José Fogaça(PMDB-RS)
Josué Bengtson (PTB-PA)
Júlia Marinho (PSC-PA)
Laerte Bessa (PR-DF)
Lázaro Botelho (PP-TO)
Leonardo Quintão (PMDB-MG)
Lindomar Garçon (PRB-RO)
Lucio Mosquini (PMDB-RO)
Luis Tibé (PTdoB-MG)
Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR)
Luiz Cláudio (PR-RO)
Maia Filho (PP-PI)
Márcio Marinho (PRB-BA)
Marcus Vicente (PP-ES)
Maria Helena (PSB-RR)
Mário Negromonte Jr. (PP-BA)
Mauro Lopes(PMDB-MG)
Missionário José Olimpio (Dem-SP)
Mo-SE)s Rodrigues (PMDB-CE)
Nelson Marquezelli (PTB-SP)
Newton Cardoso Jr (PMDB-MG)
Nilton Capixaba(PTB-RO)
Osmar Terra(PMDB-RS)
Paulo Freire (PR-SP)
Paulo Pereira Da Silva (SD-SP)
Marco Feliciano(PSC-SP)
Victório Galli (PSC-MT)
Raquel Muniz (PSD-MG)
Ricardo Izar (PP-SP)
Roberto Alves (PRB-SP)
Roberto Sales (PRB-RJ)
Ronaldo Fonseca(Pros-DF)
Ronaldo Nogueira (PTB-RS)
Rosangela Gomes(PRB-RJ)
Sergio Souza (PMDB-PR)
Silas Câmara (PRB-AM)
Takayama (PSC-PR)
Toninho Wandscheer (Pros-PR)
Valdir Colatto (PMDB-SC)
Vinicius Carvalho (PRB-SP)
Walney Rocha (Pen-RJ)
Walter Alves (PMDB-RN)
Zé Silva (SD-MG)

[b]Fonte: Câmara dos Deputados, UOL e Gospel Prime[/b]