Centenas de pessoas participaram nesta segunda-feira de uma cerimônia de despedia do arcebispo de Mariana (MG), dom Luciano Mendes de Almeida, durante passagem do corpo por Belo Horizonte.

Ele morreu no domingo, 27, aos 75 anos, por falência múltipla de órgãos e foi velado até esta manhã em São Paulo, na Catedral da Sé. O sepultamento está marcado para esta quarta-feira, na cidade histórica mineira. O governo de Minas decretou luto por três dias.

A celebração no auditório do Instituto Santo Inácio, que abriga a Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, foi marcada pela emoção. Conduzida pelo padre João Roque, a homilia foi interrompida por aplausos quando ele ressaltou a convicção de que os colegas jesuítas se despediam de “um grande santo”. O padre também se emocionou durante o sermão.

Para o arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, d. Walmor Chagas, o ex-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) deixou uma “escola” que deve ser seguida. Um tributo ao religioso, assinado por movimentos sociais ligados à Via Campesina, foi lido durante a celebração.

Um dos irmãos do arcebispo, Cândido Mendes, 78 anos, lembrou que d. Luciano, mesmo no leito de morte, manifestou viveu alegremente praticamente todos os seus dias. “Isso parece ser a marca maior de sua vida. Uma vida de entrega radical ao próximo.”

“Ele costumava dizer que era moderado no discurso e radical na ação. Mas ele, nas questões éticas, de princípios, era permanentemente um radical. Um radical do bem. Perdemos dom Luciano, uma das maiores referências éticas, eu diria mais até do que isto, referência de conduta pessoal do nosso tempo”, comentou o governador de Minas, Aécio Neves (PSDB).

O prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), destacou o “espírito de solidariedade e fraternidade” do arcebispo e sua preocupação com a infância. No final da tarde, o corpo do arcebispo foi transportado para Ouro Preto, de onde seguiria em cortejo até Mariana.

O candidato à presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, lamentou a morte do religioso. “Sempre ético e coerente na maneira corajosa de pregar e de agir, dom Luciano Mendes de Almeida deixa uma invejável folha de excelentes serviços prestados à Nação Brasileira”, disse.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que participará do velório na quarta-feira, disse que foi com “grande tristeza” que recebeu a notícia. “Quero, neste momento de dor, manifestar minha solidariedade à família, à Igreja Católica e aos amigos de dom Luciano e prestar a mais sincera homenagem a este homem de obra e coração extraordinários”, afirmou em nota.

Nota oficial – O secretário-geral da CNBB, dom Odilo Scherer, divulgou ontem uma nota oficial sobre a morte de dom Luciano. “Em meu nome pessoal, só posso dizer que recebemos essa notícia com muito pesar, embora estivéssemos esperando por ela. D. Luciano foi um bispo de grande importância para a CNBB (da qual foi secretário-geral e presidente), para a Igreja no Brasil e para o País. Ele se projetou por sua solidariedade em defesa da causa dos pobres, por sua grande mística, pelo desapego pessoal e por sua simplicidade. Foi um homem de profunda fé em tudo que fazia. Deixa um imenso vazio”, dizia a nota.

Fonte: Último Segundo