O diácono chileno Hugo Montes, que já foi premiado por sua atividade na área da educação, está sendo investigado sob a acusação de ter abusado sexualmente de um adolescente em 2001, informou nesta sexta-feira a imprensa local.

De acordo com os jornais chilenos, o jovem –que na época do crime tinha 14 anos– teria revelado o fato aos familiares que, por sua vez, fizeram a denúncia às autoridades civis. Porém, segundo os parentes, a Justiça civil decidiu arquivar o caso.

O avô do rapaz, Rolando Chateauneuf, esclareceu que a acusação foi retirada após as partes terem chegado a um acordo, que determinava que o religioso não se aproximaria mais de crianças.

“Quando houve o problema com o meu neto mais velho, em 2001, se chegou a um acordo, de que ele [Montes] não pisaria mais em um colégio e também se retiraria de cargos de direção”, declarou Chateauneuf, que é ex-decano da Universidade do Chile.

Contudo, no último mês, ainda de acordo com o avô da vítima, o bispo celebrou uma missa para um grupo de crianças.

“Por isso, pedi uma audiência ao cardeal, para comentar este fato, e ao pedir a audiência, falei sobre o que se tratava, e me conectaram com o padre [Raúl] Hasbún”, esclareceu, referindo-se ao sacerdote designado pelo Arcebispado de Santiago para investigar o episódio.

Este é o segundo religioso do país acusado de pedofilia cujo caso vem a público. No início do ano, foi revelado que o religioso Fernando Karadima, que deixou de ser pároco de El Bosque em setembro de 2006, fora denunciado por quatro pessoas. Ontem, a imprensa local divulgou que foram somadas mais três novas acusações contra ele.

Fonte: Folha Online