A cúria da cidade de Veneza, na Itália, lançou uma campanha para que os moradores deixem de tomar água mineral e passem a beber água da torneira como penitência durante a Quaresma, período que vai da Quarta-Feira de Cinzas até o domingo de Páscoa.

Os organizadores pretendem promover a qualidade da água encanada da cidade, própria para o consumo, e dizem que “com o dinheiro economizado com garrafas de água de plástico será possível construir um aqueduto na Tailândia”.

“Nosso centro diocesano propõe a renúncia à água mineral porque somos a favor do consumo crítico”, afirmou dom Gianni Fazzini, coordenador da campanha, ao jornal italiano “Corriere della Sera”.

A campanha conta com o apoio do prefeito da cidade, o filósofo Massimo Cacciari. Ele afirmou que só toma água da torneira e que oferece apenas jarras de água corrente durante as reuniões na Prefeitura.

Segundo Cacciari, a água mineral é dispensável, e as famílias poderão economizar muito no final do mês se deixarem de comprá-la.

Garrafas de vidro

Na esperança de que a campanha continue depois da Páscoa, o aqueduto de Veneza está enviando garrafas de vidro para 100 mil famílias.

A idéia é que as pessoas substituam as garrafas de plástico, adquiridas quando compram água mineral, pelas de vidro.

Grupos ambientalistas e associações de consumidores se dizem satisfeitos com a iniciativa da cúria veneziana.

“Se a água que sai da torneira é de ótima qualidade, é contraditório consumir água em garrafa de plástico”, escreve em seu site o grupo ambientalista Altreconomia, que reivindica o fim das campanhas publicitárias de água mineral.

“Custa mais, aumenta o aquecimento global por causa do transporte em caminhões e produz uma montanha de plástico que, só na Itália, é de 9 bilhões de garrafas por ano”, acrescenta o Altreconomia.

Atingidos pela campanha, os produtores defendem a qualidade da água mineral. “A água mineral é mais segura e tem propriedades que a água corrente não possui, sendo um verdadeiro alimento”, disse ao “Corriere dela Sera” Matteo Zoppas, superintendente da água San Beneddetto.

Segundo as estatísticas, a Itália é o país onde mais se toma água mineral no mundo, mesmo tendo água corrente de excelente qualidade em quase todas as regiões.
Cada italiano consome em média 172 litros de água mineral por ano, e as prefeituras de diversas cidades têm tentado mudar esse hábito.

Em Florença, escolas e repartições públicas não consomem água mineral há três anos. Em Roma, a água disponível em centenas de bicas espalhadas pela cidade é considerada uma das melhores do país.

Fonte: BBC Brasil