Alvo de críticas de internautas por seu projeto de lei para instituir o Dia do Obreiro Universal no calendário oficial de Osasco, o vereador Ricardo Silva, do PRB, partido ligado à Igreja Universal, comentou as críticas, que, afirma, “são prematuras”.

[img align=left width=300]https://www.visaooeste.com.br/wp-content/uploads/2017/06/Ricardo-Silva.jpg[/img]“Esse projeto traz qual malefício para os munícipes de Osasco? Nenhum. Até porque os obreiros da igreja são capacitados espiritualmente. Por exemplo, nós estivemos no presídio de Osasco, estamos atuando firme e forte no presídio, evangelizando. Temos um trabalho firme e forte nos hospitais de Osasco. Então, o trabalho social que a igreja faz é um trabalho que é louvável”, declara.

“O projeto é uma homenagem aos obreiros da Igreja Universal, como também vou fazer homenagens para pastores de outras igrejas”, diz o parlamentar.

Questionado sobre se projetos de cunho religioso, como a inclusão do Dia do Obreiro Universal no calendário oficial de Osasco, não ferem a laicidade do Estado, Ricardo Silva responde: “Eu acho que não”.

O Dia do Obreiro Universal deve ser celebrado anualmente no terceiro domingo de agosto, estabelece o projeto de lei 76/2017. “O Obreiro Universal é um verdadeiro trabalhador, que tem o mais alto grau de comprometimento com o Reino de Deus e com as pessoas”, justifica Ricardo Silva na proposta.

[b]Além da igreja
[/b]
O parlamentar osasquense afirma ainda que suas propostas vão além de questões religiosas. “Temos um mandato pela frente. De repente as pessoas podem ter essa avaliação por não acompanhar nossos projetos”.

“O primeiro projeto aprovado pela Câmara nesse mandato, inclusive, foi meu. O projeto da questão para dar visibilidade dos profissionais trabalhando nas unidades de Saúde”.

O parlamentar também ressalta sua atuação em ações sociais e pede desculpas aos críticos do projeto. “Peço desculpas para quem achar que não é um projeto, ou porque é da Igreja… Mas a gente está aí para ajudar todo o povo. Reitero que muito mais projetos virão”.

[b]Fonte: Visão Oeste[/b]