A afirmação é arcebispo primaz do Brasil, cardeal Dom Geraldo Majella, um dos líderes da Igreja Católica.

O governo do presidente Lula melhorou a vida de uma parte da população, mas a corrupção é um de seus principais legados. Essa é a avaliação do arcebispo primaz do Brasil, cardeal Dom Geraldo Majella, um dos líderes da Igreja Católica, sobre o mandato do petista. “Ele também não teve tantos mensalões aí? Não é corrupção isso?”, indagou.

Dom Geraldo critica ainda o recente aumento do salário dos congressistas, que subiu para R$ 26 mil. “Mas e o salário do povo? Será que só há dinheiro para eles? Aos políticos não faltam seus aumentos. É ajuda disso, ajuda daquilo”, disse. Ele aproveitou o momento do Natal para recomendar mais atenção à educação e à saúde da população, mas pede que os políticos reflitam sobre a corrupção durante todo o ano, e não apenas neste período.

O cardeal pondera que foi importante a entrada de temas religiosos na campanha eleitoral, para impedir que os deputados federais e senadores fossem legislar “por conta própria”. Ele ressalta que a expectativa da Igreja Católica é que a presidente eleita Dilma Roussef mantenha sua promessa de não mexer na legislação sobre o aborto. “Ela falou, a gente acredita que ela tenha palavra, né? Respeitar o aborto e também tudo que diz respeito à dignidade da pessoa humana”, afirmou.

Dom Geraldo ratifica a posição do Papa Bento XVI sobre a camisinha, que seria “justificável em algumas situações” – declaração que causou polêmica ao citar como exemplo o caso das prostitutas. “O papa não vai ensinar nada de modo equivocado. Em situação de normalidade, a posição é contrária. Mas ele fala desses casos excepcionais”, afirmou o cardeal.

[b]Fonte: Terra[/b]