O atentado à Igreja Católica de Nossa Senhora da Conceição, em São Marcos I, na Serra, na noite desta segunda-feira (22) no momento em que os fiéis estudavam a Bíblia, é apenas um dos inúmeros casos de profanação de imagens sacras, roubo de dízimos, ameaças de morte ocorridas em templos no Espírito Santo.

Em um Estado laico, onde o cidadão tem o direito de escolher a religião que melhor lhe convém, a sociedade fica perplexa, quando se depara com cenas de destruição de imagens como as de Nossa Senhora Auxiliadora e outra de São Marcos na Igreja de Nossa Senhora da Conceição.

Padre Marcelo Pedroni Margon, 38 anos, disse que nunca havia visto algo como o ocorrido na Paróquia Nossa Senhora da Conceição. Segundo ele, a intolerância e os ataques de vandalismo e violência contra a Igreja Católica estão adquirindo contornos preocupantes, especialmente no município da Serra.

Fanáticos

A intolerância religiosa aparece de forma brutal entre os mais fanáticos. Mas, os ataques não são exclusivos dos templos católicos: a violência não faz distinção de credo na hora de se manifestar.

Em outubro de 2006 as igrejas Pentecostal Deus é Amor, do bairro Bom Pastor, e a Comunidade Católica São Sebastião, em Areinha, ambas em Viana, foram arrombadas. Bandidos levaram equipamentos de som e dinheiro.

No mesmo mês, A Assembléia de Deus de Bela Aurora, em Cariacica, foi arrombada. Os ladrões levaram R$ 2 mil do dízimo e mantimentos da cozinha. No bairro São Cristóvão, em Vitória, um bandido invadiu a Igreja Assembléia de Deus e levou equipamentos de som.

Os jornais A Gazeta e Notícia Agora desta quarta-feira (24) mostram que cultos nas igrejas da Grande Vitória têm hora marcada para acabar para evitar que fiéis sejam alvos de violência. “Um grupo não pode se julgar melhor que o outro. Esse é um fator que multiplica os problemas ligados a religião”, destaca na reportagem, o pastor Norberto Berger, do Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos.

Coroas roubadas

No dia 19 de julho do ano passado às coroas que adornavam as imagens de Nossa Senhora da Penha e do Menino Jesus que ficavam na Sala dos Milagres do Convento da Penha foram roubadas. Juntas estavam avaliadas em R$ 15 mil. Durante a Festa da Penha deste ano as peças foram repostas através de doações de fiéis e do joalheiro Oswaldo Moscon.

Vandalismo em Viana

Em setembro de 2006, assaltantes invadiram a Igreja Católica Santa Luzia, em Eldorado, Viana, e roubaram alto-falantes, uma mesa de som, um microsystem e dois microfones. Uma imagem de Nossa Senhora Aparecida também foi levada. Houve vandalismo dentro da igreja. Os bandidos espalharam fezes e cinzas no local.

Profanação

No dia 16 de maio de 1978, a imagem da Basílica de Nossa Senhora Aparecida se quebrou em 165 pedaços depois de ser jogada no chão pelo jovem Rogério Marcos de Oliveira, na época com 19 anos. Os cacos foram levados para o Museu de Arte de São Paulo, onde a imagem foi restaurada pelos artistas Pietro Maria Bardi e Maria Helena Chartuni. Rogério não ficou preso pois foi constatada insanidade mental.

Em 12 de outubro de 1995, durante a exibição de um programa em uma rede nacional de televisão, o bispo Sérgio Von Helder, da Igreja Universal, deu socos e pontapés numa imagem da padroeira. Dias depois ele pediu desculpas à população católica, mas o Tribunal de Justiça de São Paulo o condenou a dois anos de reclusão por incitação à discriminação e ao preconceito religioso e também por crime de vilipêndio à imagem religiosa. A pena foi cumprida em regime aberto.

Fonte: Gazeta Online