Claudia di Moura, atriz negra da Rede Globo
Claudia di Moura, atriz negra da Rede Globo

Claudia Di Moura faz sua estreia em uma novela aos 53 anos. Baiana e negra, ela foi selecionada para viver a Zefa de Segundo Sol após uma pesquisa da produtora de elenco Vanessa Veiga, que cadastrou 400 atores negros na Bahia.

Em meio à polêmica da falta de representatividade na trama, Claudia afirma que faltam negros em todos os setores da dramaturgia e revela que foi o racismo que a levou para os palcos.

“Virei atriz por causa do preconceito da Igreja Católica. Eu sempre quis ser anjo da igreja, e nunca pude ser. Sempre era a primeira menininha a chegar para colocar meu nome na lista e diziam que estava lotada. Eu cansava de chegar primeiro, madrugava. Aí, para compensar a minha tristeza, eles me davam uma poesia para declamar. Eu colocava a dor de não ser anjo aí”, desabafa a estreante.

Claudia pegou gosto pela “tribuna” e chega ao horário nobre da TV após 34 anos de carreira no teatro. O debate inflamado pelas redes sociais sobre racismo antes mesmo do início da trama é algo que permeia a vida da atriz.

“Não tem negros escrevendo. O branco não pode falar da dor do negro, o branco nasceu salvo. É por isso que a gente luta. É para termos diretores negros, escritores negros, dramaturgos negros, apresentadores negros”, declara.

Claudia diz que o negro sente falta de se reconhecer na TV. Afirma que a Bahia negra vai além de Lázaro Ramos, astro da Globo, bem-sucedido no teatro e no cinema.

“Atrás de Lázaro tem uma renca. Tem grandes artistas bons, pretos ou não, porque o manifesto é pelo artista baiano”, fala a atriz.

Fonte: Notícias da TV – UOL