Uma situação constrangedora se deu ontem durante o encontro interreligioso presidido pelo papa Bento XVI no Instituto Notre Dame, de Jerusalém, quando um xeque palestino tomou a palavra e começou a atacar Israel, diante do olhar atônito do pontífice.

O episódio ocorreu quando o pontífice já tinha lido seu discurso e o xeque palestino Taisir al-Tamini tomou a palavra inesperadamente e começou a fazer acusações contra Israel.

Entre outras coisas, ele disse que Jerusalém será sempre capital da Palestina, o que fez com que alguns judeus presentes se levantassem e deixassem o local.

Enquanto isso, o patriarca Latino de Jerusalém tentava aplacar os ânimos e o papa assistia aos eventos sem entender o que acontecia, já que o palestino fez as acusações em árabe.

Em comunicado, o porta-voz vaticano, Federico Lombardi, informou que o discurso de Tamini não estava previsto pelos organizadores e que o pronunciamento, “em um encontro dedicado ao diálogo, foi um exemplo de negação do diálogo”.

“Esperamos que tal incidente não prejudique a missão do papa dirigida a promover a paz e o diálogo interreligioso, como ele mesmo afirmou claramente em muitas ocasiões durante esta peregrinação”, acrescentou Lombardi.

O porta-voz vaticano acrescentou ainda que espera que “o diálogo interreligioso na Terra Santa não seja prejudicado pelo incidente”.

Fonte: EFE