Cristãos continuam sendo martirizados ao redor do mundo, mas poucos cidadãos de nações livres, especialmente os norte-americanos, estão atentos a difusão da perseguição religiosa.

“Os cristãos livres não percebem quão afortunado são”, observa Jim Jacobson, presidente de Liberdade Cristã Internacional (CFI, sigla em inglês).

De acordo com a CFI, o seqüestro dos sul-coreanos pelo Talibã, que trabalhavam na ajuda ao Afeganistão, ilustra bem como este conflito é essencialmente religioso. “Isso porque um governo apoiado pelos EUA é um pouco mais amigável aos cristãos”, observou Jim Jacobson.

“No ano passado o cristão convertido Abdul Rahman foi condenado à morte e só foi salvo após a intervenção das nações do Ocidente”, lembrou ele.

Na Turquia, os ataques aos cristãos e a igrejas continuam após a invasão e o massacre de funcionários de uma editora de livros cristãos.

Em uma área ao longo da costa do mar Negro, onde um padre italiano foi assassinado, uma igreja protestante foi alvo de vandalismo e seu pastor ameaçado.

“No início deste ano foram assassinados três cristãos por extremistas muçulmanos em uma incursão particularmente horrível”, disse Jim.

Na Índia, os ataques contra cristãos estão emergindo. Um convento e seminário católicos foram atacados.

Em outra cidade, fanáticos hindus assassinaram um convertido cristão; em outro lugar um ministro protestante estava preso por supostamente ter oferecido dinheiro para uma conversão após tentar mediar uma disputa numa família budista; em outro caso os missionários cristãos foram espancados.

“A Índia poderia ser uma democracia, mas está longe de ser livre religiosamente”, disse Jim.

Direitos violados

No Cazaquistão, cristãos foram expulsos de suas casas porque celebraram uma reunião de oração sem autorização. Um ministro batista foi preso no Azerbaidjão enquanto ministrava e foi condenado a dois anos de prisão.

Na Malásia, a Suprema Corte impediu uma mulher muçulmana de ser reconhecida legalmente como cristã. Semelhantemente, o Egito desencoraja conversões e vem atacando os cristãos coptas que planejam construir uma igreja.

O Paquistão está preparando a execução de um cristão falsamente acusado de blasfêmia contra o islã e o profeta o Maomé.

A China continua fechando igrejas protestantes e promovendo a Igreja Católica “patriótica” oficial como a legítima igreja cristã.

Recentemente, no Vietnã, cristãos montagnard têm sido presos. Na Indonésia há incontáveis cristãos presos por causa de blasfêmia.

Lá, extremistas muçulmanos forçaram o Centro de Oração Carmelita, em Java Ocidental, a cancelar uma conferência internacional.

Na Etiópia, cristãos foram mortos em um ataque à bomba.

“Pior ainda é a situação dos cristãos no Iraque”, diz Jim. Cristãos são assassinados e freqüentemente seqüestrados; igrejas cristãs são destruídas regularmente e centenas de milhares de cristãos fugiram o Iraque.

Segundo ele, o governo dos EUA poderia falar mais sobre a perseguição no mundo, mas geralmente se recusa por causa de outras considerações políticas.

Fonte: Portas Abertas