A ABGLT (Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais) lançou nesta segunda-feira (29) um manifesto contra a eleição do candidato à Prefeitura do Rio, Marcelo Crivella (PRB). No documento, Crivella é acusado de fazer pronunciamentos homofóbicos (atos de aversão aos homossexuais) durante sua vida política.

“Crivella se colocou sistematicamente contra a criminalização da homofobia. A confirmação disso é a manifestação que ele convocou no Congresso Nacional no primeiro semestre deste ano, reunindo cerca de 200 evangélicos fundamentalistas contra o projeto de lei 122/2006, que criminaliza a homofobia”, disse, em entrevista ao UOL, o presidente da ABGLT Toni Reis.

Entre os dados citados como exemplo da suposta homofobia de Crivella, no manifesto da ABGLT, estão: “um artigo do candidato intitulado ‘perigo para as famílias brasileiras’, que saiu no Jornal do Brasil em 2007; um trecho de uma entrevista concedida por Crivela, que ele afirmou que ‘ninguém pode ter neste país a obrigação de concordar que não se pode criticar o homossexualismo’ (O Globo, 25/09/2008)”.

Para o presidente da ABGLT, as atitudes do candidato do PRB contra os homossexuais não são totalmente influenciadas pela religião. “Pode até ser que a religião esteja influenciando nas atitudes do candidato. Mas, não podemos generalizar. Por exemplo, temos o candidato a prefeito da cidade de Salvador, Pinheiro, que é evangélico, mas a ABGLT o considera um aliado porque, várias vezes, se pronunciou favorável à promoção dos direitos humanos da comunidade LGBT”, afirmou.

No manifesto, a associação também pede para seus aliados não votarem em Crivella “para garantir um estado democrático e não fundamentalista”. O documento foi entregue aos 226 parlamentares integrantes da Frente Parlamentar pela Cidadania LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transsexuais), no Congresso Nacional.

Procurada pelo UOL Eleições, a assessoria de imprensa do candidato Marcello Crivella disse que não responde a esse tipo de manifesto. Veja na íntegra o documento da ABGLT:
“Manifesto pela não-eleição de Crivella para prefeito do Rio

Candidato não respeita os direitos de pessoas LGBT

Motivos para não votar em Crivella para prefeito do Rio de Janeiro: uma pequena amostra de exemplos dos pronunciamentos e da atuação homofóbicos de Crivella inclui:

? Artigo intitulado “perigo para as famílias brasileiras”, convocando manifestações contra o projeto de lei 122/2006, que criminaliza a descriminação homofóbica (Jornal do Brasil, 2007)

? “A lei (plc 122/2006) é uma excrescência” (O Globo, 25/09/2008, p.13)

? “Ninguém pode ter neste país a obrigação de concordar que não se pode criticar o homossexualismo” (O Globo, 25/09/2008, p.13)

? “Acho que o homossexualismo é pecado, não é natural.” (Programa do Jô Soares)

? Constante articulação e proferimento de discursos contra o PLC 122/2006 e contra as pessoas LGBT.

? “Hoje, com a prática do homossexualismo em escala global, difundida e enaltecida nos meios de comunicação, protegida como quer o PLC 122/2006, comete-se indiscutível erro ético.” (Artigo em http://www.senado.gov.br/MarceloCrivella/direitodeopiniao.htm)

Diante do currículo e das declarações do Senador Crivella contrárias à comunidade de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT) e contrárias à igualdade de seus direitos, a ABGLT vem solicitar a toda a comunidade LGBT, pessoas aliadas, familiares, amigos e pessoas que querem um estado democrático e não fundamentalista que não votem para Crivella para prefeito do Rio de Janeiro, e que façam uma campanha contra uma pessoa que:

? não respeita a Constituição Federal, nos princípios da igualdade e da não-discriminação

? não respeita a Resolução 01/99 do Conselho Federal de Psicologia

? não respeita a Resolução 2435/2008 da Organização dos Estados Americanos (orientação sexual e identidade de gênero como direitos humanos)

? não respeita a 10ª revisão da Classificação Internacional de Doenças, aprovada pela Assembléia Mundial de Saúde (OMS) em 17 de maio de 1990, que retirou a homossexualidade da lista de doenças.

? não respeita os ensinamentos de Cristo contidos em Mateus 7: “não julguem, e vocês não serão julgados. De fato, vocês serão julgados com o mesmo julgamento que vocês julgarem, e serão medidos com a mesma medida com que vocês medirem.”

O Rio de Janeiro não merece um prefeito com este currículo, que vai contra o perfil da Cidade Maravilhosa. O Rio de Janeiro é a cidade símbolo da diversidade e não merece ter um prefeito que não respeita a comunidade LGBT.

Pela aprovação do PLC 122/2006!

Por um estado realmente laico, em que seja respeitada a diversidade religiosa, a diversidade sexual, em que todos os seres humanos sejam tratados como cidadãos e em que a Constituição Federal seja a lei maior do país.

Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais – ABGLT

Fonte: UOL